Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

População de mico-leão-dourado cresce 8 vezes

Após 20 anos de preservação, número de indivíduos passou de 200 para 1.700 no País; desafio é aumentar a oferta de área para o animal viver

GIOVANA GIRARDI, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2012 | 02h06

No início dos anos 1990, avistar um mico-leão-dourado na natureza era coisa raríssima. Fãs de calor e terras baixas, os macacos foram fortemente afetados pela perda de seu hábitat na baixada litorânea fluminense. Com apenas 2% de áreas remanescentes de Mata Atlântica naquela região, a população foi reduzida a cerca de 200 indivíduos e a espécie foi considerada criticamente ameaçada de extinção.

Provavelmente o maior símbolo da perda de biodiversidade no Brasil, o mico-leão mobilizou comunidades, cientistas e ambientalistas e, após 20 anos de seu projeto de salvamento, hoje ele vive uma situação um pouco mais confortável.

Em 2003, quando passou de pouco mais de mil indivíduos, o animal conseguiu sair da categoria de criticamente ameaçado para a de apenas ameaçado pelo levantamento da União Internacional pela Conservação da Natureza.

Recentemente foram contabilizados 1.700 exemplares vivendo na área de oito municípios fluminenses: Silva Jardim, Casimiro de Abreu, Rio das Ostras, Cabo Frio, Armação dos Búzios, Saquarema, Rio Bonito e Araruama. É o único lugar no mundo onde o animal vive na natureza.

Isso foi possível por causa de uma série de iniciativas que combinaram a reintrodução de indivíduos na natureza, estudos de reprodução e comportamento. Diariamente, voluntários vão à mata checar se há novos filhotes e como os animais estão se relacionando. Foram feitas transferências de indivíduos de um lugar para o outro, além da criação de novos grupos. Tudo para garantir mais variabilidade genética.

Outro esforço tão ou mais importante foi o de recuperar o hábitat do animal. Desde que começaram os trabalhos de salvamento da espécie, a oferta de área para o mico viver cresceu 140%.

Atualmente, entre áreas florestais protegidas e corredores interligando esses remanescentes de Mata Atlântica, há cerca de 10 mil hectares. Na comemoração dos 20 anos da Associação Mico-Leão-Dourado, o desafio é aumentar ainda mais essa área onde esses animais vivem para permitir que se atinja uma população viável.

Segundo Luis Paulo Ferraz, secretário executivo da associação, a meta é alcançar 2 mil indivíduos até 2025. Para isso, porém, é necessário mais que dobrar a área - para 25 mil hectares.

Mais áreas. "Hoje a população já tem condições de facilmente atingir esse número, mas só isso não garante o salvamento da espécie se não tiver o hábitat. Nossa estimativa é de que um grupo de micos, que é de pai, mãe e filhotes, necessite de pelo menos 50 hectares para viver", explica.

"A maior dificuldade é o fato de o mico ser muito exigente. Ele não sobe a serra, que é o que mais temos aqui na região. Não gosta de frio, então ele não ocupa floresta acima de 500 metros de altitude. Ele gosta de áreas planas, coitado, mas é exatamente onde estão as fazendas, as cidades."

Por isso, parte do sucesso em ampliar a área de ocorrência foi ter envolvido os proprietários de terra. Na região há uma reserva biológica, a de Poço das Antas, com cerca de 5 mil hectares (mas que depende de restauração de vegetação), e uma reserva da união com 2,5 mil hectares. O resto foi garantido com a articulação de moradores que toparam não desmatar suas terras e as transformaram em Reservas Particulares do Patrimônio Nacional (RPPNs).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.