Por clima, manifestante põe máscara em guerreiro de terracota

Martin Wyness disse que queria chamar atenção para a falta de ação internacional contra o aquecimento global

Reuters,

15 de outubro de 2007 | 15h37

Um manifestante conseguiu burlar a segurança do Museu Britânico em Londres no final de semana e colocar máscaras em dois guerreiros de terracota chineses, em exibição no local, como um protesto contra as emissões de dióxido de carbono do país asiático.                                   Martin Wyness, pai de duas meninas, disse que fez o protesto no domingo para chamar atenção para a falta de ação internacional a fim de evitar o aquecimento global, e também para o papel cada vez maior da China na crise do clima.                                   "É uma manifestação contra as emissões de CO2 da China. Nada foi prejudicado (da exposição). Tudo foi muito respeitoso", disse, acrescentando que os guardas da segurança do museu o retiraram da exposição "Primeiro Imperador".                                   A mostra acontece até abril de 2008 e inclui o maior número de objetos emprestados pela China ao mesmo tempo para alguma instituição no exterior.                                   "Nós examinamos os dois objetos muito cuidadosamente e não parece ter havido nenhum dano", disse, uma porta-voz do museu, acrescentando que a segurança foi reforçada após o incidente.                                   A segurança em torno dos guerreiros de terracota de 2.000 anos estava sendo feita de maneira discreta, propositalmente, para permitir aos visitantes ficar a uma distância de poucos passos.                                  "A idéia é deixar os visitantes bem perto dos guerreiros para ver os detalhes e ficar face a face com eles. É uma vergonha que ele tenha abusado desse privilégio", disse a porta-voz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.