Por que o humano trabalha

Muitos antropólogos acreditam que o homem começou a trabalhar há 12 mil anos, quando surgiu a agricultura. Antes, vivíamos em grupos nômades que obtinham seu alimento recolhendo vegetais e caçando animais. Esse modo de vida ainda é encontrado em algumas populações indígenas - é, na essência, o modo de vida de quase todos os animais.

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2011 | 00h00

Com o início da agricultura, o homem passou a colher sementes, plantá-las, esperar sua germinação e crescimento para depois usufruir do seu trabalho. Essa organização sistemática do esforço, com tarefas específicas e separação no tempo entre esforço e recompensa é o que muitos acreditam ser a essência do que chamamos de trabalho.

O que levou os humanos a mudar seu modo de vida? A agricultura moderna sugere que a causa foi o aumento de eficiência na produção de alimentos. Plantar e criar animais são hoje atividades que produzem muito mais alimento por unidade de terreno, com muito menos dispêndio de energia. Imaginamos que, uma vez descoberta a agricultura, ela foi adotada como incorporamos as máquinas a vapor, os computadores e outras tecnologias. Mas resultados recentes demonstram que o aumento de eficiência não foi o que levou o homem a adotar a agricultura e começar a trabalhar.

Samuel Bowles comparou a quantidade de calorias, na forma de alimentos, obtida por um indivíduo que pratica o recolhimento e a caça com a quantidade de calorias obtida por um indivíduo que pratica a agricultura. Para tanto, comparou as atividades de grupos indígenas que ainda praticam exclusivamente recolhimento e caça com grupos que praticam a atividade agrícola primitiva, sem tecnologias modernas (ferramentas, adubo, agrotóxicos e sementes selecionadas). Foi possível fazer um balanço da quantidade de energia gasta em cada uma das atividades e subtrair esse valor da quantidade de energia obtida, na forma de alimentos. Assim, foi possível calcular o "lucro" das duas formas de obter alimentos, em quilocalorias de alimentos por hora de trabalho.

A análise é complicada e envolve um número enorme de incertezas, pois é difícil saber como eram as duas atividades há 12 mil anos. Com dados de populações modernas e dados arqueológicos dos métodos de estocagem de alimentos e da abundância de alimentos no meio ambiente (maiores no passado), foi possível fazer um cálculo aproximado para 20 grupos humanos.

O resultado é surpreendente: tribos que praticavam recolhimento e caça obtinham mais alimento por hora que as populações que trabalhavam na agricultura. Os hiwi, na Venezuela, obtinham 1,6 mil kcal por hora de colheita e caça. Algumas populações na costa americana chegavam a obter 2,5 mil kcal por hora. Entre os agricultores primitivos, os do México tinham os melhores resultados, 1.050 kcal/h, seguidos pelos ache, do Paraguai, com 1 mil kcal/h.

Todas as outras populações que utilizavam a agricultura primitiva, em Bornéu (800 kcal/h), Filipinas (950 kcal/h) e Gâmbia (830 kcal/h), apresentam rendimento menor que o menos eficiente recolhedor/caçador da África, os hadza da Tanzânia (1,1 mil kcal/h).

Esse resultado sugere que a atividade agrícola primitiva era menos eficiente que a atividade de recolhimento e caça. Essa diferença fica ainda maior se levarmos em conta a menor diversidade de alimentos ingeridos pelos agricultores e os riscos envolvidos.

Mas, se isso é verdade, por que será que o homem mudou seu modo de vida e passou a trabalhar na terra?

A explicação é que a decisão não foi motivada pela maior eficiência, e sim por um problema de seleção natural. O que teria ocorrido é que os povos que não adotaram a agricultura não foram capazes de competir com os agricultores, que, apesar de obter menos alimento por hora de trabalho, passaram a usufruir de outras vantagens. O que Bowles propõe é que sociedades agrícolas podem abandonar a vida nômade, conseguem se organizar em cidades maiores, com um número maior de pessoas, o que permitiu a conquista de territórios maiores. Isso teria levado à extinção os colhedores/caçadores.

Se essa explicação for confirmada, nossos antepassados adotaram a agricultura não porque ela proporcionava uma melhora na qualidade de vida, mas porque nos permitia organizar sociedades poderosas. Começamos a trabalhar para dar vazão ao nosso instinto guerreiro imperialista. Trabalhamos para conquistar, uma noção que não é estranha para quem vive no mundo moderno.

BIÓLOGO

MAIS INFORMAÇÕES: CULTIVATION OF CEREALS BY THE FIRST FARMERS WAS NOT MORE PRODUCTIVE THAN FORAGING. PNAS, DOI/PNAS.1010733108, 2011

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.