Português e história têm questões ambíguas

Para o professor de português André Oliveira, do Cursinho da Poli, a única questão que poderia causar dificuldades para o vestibulando era a de número 33 da prova V.

Karina Toledo e Diana Dantas, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2009 | 00h00

"A questão trazia um poema de Vinícius de Moraes chamado Pátria Minha e pedia para julgar se as três afirmações estavam certas ou erradas, mas uma delas estava ambígua", avalia.

Já para o professor de Literatura do Cursinho Etapa Alberto Bento Augusto, a questão 33 não é controversa. "O espírito de contradição a que se refere a afirmativa II é aceitável, pois ele nega o sentimento ufanista contido no Hino Nacional", analisa.

O coordenador da disciplina de história do Curso Objetivo, Daily de Matos Oliveira, questiona a precisão da pergunta de número 19, da prova V, que aborda a eleição de Nelson Mandela para a presidência da África do Sul.

"A alternativa apontada pelo gabarito menciona o apartheid como vigente na época, mas o tempo de duração do regime é questionável", afirma o coordenador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.