Postos de Bauru vendem litro de álcool a R$ 0,89

Depois de vender o litro do álcool a R$ 1,27, na semana passada, os 102 postos de abastecimento de Bauru, interior de São Paulo, começaram anteontem uma guerra de preços. O produto é encontrado a R$ 0,89 o litro na maioria das bombas e a justificativa dos comerciantes é que baixaram o preço porque seus concorrentes diretos também o fizeram. Segundo Wagner Siqueira, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, apesar de estar entrando o período da safra da cana, não há uma explicação lógica para a baixa de preço, pois as distribuidoras entregam o álcool ao preço de R$ 0,90 a R$ 0,96 o litro para os postos, que também têm despesas para vendê-lo ao consumidor.Donos de postos, que pedem para não ser identificados, garantem que conseguem preços menores do que o anunciado pelas distribuidoras e, com isso, podem fazer promoções e atrair clientela. Siqueira diz que alguns donos de postos "trabalham de uma maneira destinada a destruir os outros" e não deveriam estar no segmento, pois acabam desequilibrando o mercado e levando os mais fracos à falência.O sindicato reclama da falta de regulamentação para o preço e margens de lucro na comercialização dos combustíveis, o que estaria favorecendo aqueles que estão de passagem pela atividade e, muitas vezes, não pagam corretamente seus impostos e outras obrigações, e deixam seqüelas no setor. Desde a sexta-feira chegam a se formar filas nas bombas de álcool, pelos motoristas que querem aproveitar o preço antes de os preços subirem. Paradoxalmente, nos últimos anos, donos de postos responderam a um processo - que conseguiram trancar na Justiça -, acusados de formação de um cartel que, segundo as denúncias, mantinha os preços dos combustíveis mais altos que a média geral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.