Potências atômicas sugerem não vender urânio ao Irã--reportagem

Potências ocidentais acreditam que o Irã está próximo de conseguir urânio não enriquecido para seu programa nuclear e estão recomendando que os países produtores a não vender o produto a Teerã, disse uma reportagem do The Times neste sábado. O jornal contou que departamento de assuntos internacionais do governo britânico ordenou no final do ano passado que seus diplomatas no Cazaquistão, Usbequistão e Brasil - os maiores produtores de urânio, para fazer um lobby nos governos locais sobre o assunto. "Países incluindo Inglaterra, Estados Unidos, França e Alemanha começaram um esforço diplomático para dissuadir os maiores produtores de urânio para não vender para o Irã", disse o jornal. Os governos ocidentais acusam Teerã de tentar adquirir armas atômicas sob a sombra de um programa para produzir energia nuclear. O Irã nega as acusações e diz que quer a potência nuclear apenas para gerar eletricidade. O urânio enriquecido necessário para reatores nucleares ou armas é produzido em centrígufas que espalham gás hexafluoreto (UF6) em alta rotação. O UF6 deriva da uma reação química criada com o chamado "bolo amarelo", um pó concentrado que surge do urânio concentrado na forma de sal. O vice-presidente da companhia atômica estatal do Cazaquistão disse a[ Reuters em uma entrevista em novembro que a antiga república soviética planeja aumentar a produção de urânio para cerca de 12 mil toneladas este ano, ante as cerca de 8,6 mil toneladas de 2008. De acordo com a World Nuclear Association, organização que promove o uso nuclear pacífico, os 10 maiores produtores de urânio do mundo são Canadá, Austrália, Cazaquistão, Rússia, Nigéria, Namíbia, Uzbequistão, Estados Unidos, Ucrânia e China. O Brasil era o 13o. O The Times disse que a República Democrática do Congo pode ser outra fonte potencial de suprimento que preocupa as potências ocidentais e o braço das Nações Unidas que trata do assunto, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). (Escrito por Mark Trevelyan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.