Potências mundiais querem reunião com Irã sobre programa nuclear

As potências mundiais pediram ao Irã para realizar uma nova rodada de negociações sobre seu programa nuclear em fevereiro, enquanto expressaram desapontamento com a relutância de Teerã em agendar conversas.

Reuters

28 de janeiro de 2013 | 14h16

Um porta-voz da chefe de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, disse nesta segunda-feira que o Irã não concordou com sua proposta, emitida em nome dos Estados Unidos, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha, para um encontro no fim de janeiro.

"O Irã não aceitou a nossa oferta de ir a Istambul em 28 e 29 de janeiro e por isso oferecemos novas datas em fevereiro", disse Michael Mann em uma entrevista coletiva em Bruxelas.

"Nós continuamos a oferecer datas desde dezembro. Estamos desapontados, os iranianos ainda não concordaram", afirmou.

A próxima rodada de discussões estava originalmente prevista para janeiro, mas o progresso tem sido atrapalhado por disputas entre os dois lados.

As autoridades iranianas negam ser culpadas pelos atrasos e dizem que os países ocidentais são os responsáveis pela espera até depois da eleição presidencial dos EUA em novembro, o que resultou em perda de oportunidades.

"Nós sempre dissemos que estamos prontos para negociar até que um resultado seja alcançado e nunca interrompemos discussões", disse o chanceler iraniano Ali Akbar Salehi, de acordo com a agência estatal de notícias IRNA.

Os seis países, conhecidos coletivamente como P5+1, reuniram-se com negociadores iranianos em três rodadas de negociações no ano passado, mas não houve avanço.

O Irã se recusa a suspender todo o enriquecimento de urânio e exigiu alívio de sanções econômicas internacionais antes de tomar qualquer medida.

Mas sugeriu, anteriormente, que poderia estar disposto a suspender o enriquecimento de alto grau -- uma preocupação central -- se as suas necessidades forem atendidas e seu direito de enriquecer for formalmente reconhecido.

Catherine está supervisionando os contatos diplomáticos em nome das potências, na esperança de persuadir Teerã a recuar em seu programa nuclear. As seis potências temem que o Irã esteja buscando atingir a capacidade de construir armas nucleares, o que é negado por Teerã.

Mann afirmou, porém, que os negociadores iranianos colocaram novas condições para retomar as negociações, e que as potências da UE têm a preocupação de que isso possa ser uma manobra protelatória.

Salehi sugeriu realizar a próxima rodada de negociações no Cairo, mas o P5+1 queria se encontrar em outro lugar. Ele também disse que a Suécia, Cazaquistão e Suíça se ofereceram para sediar as conversações.

(Reportagem de Justyna Pawlak e Adrian Croft)

Tudo o que sabemos sobre:
EUROPAIRAENCONTRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.