PR oficializa até começo de abril posição sobre governo Dilma

O PR oficializa até o começo de abril a posição que o partido adotará em relação ao governo da presidente Dilma Rousseff, disse o presidente da sigla, senador Alfredo Nascimento (AM), nesta terça-feira.

REUTERS

20 Março 2012 | 20h06

Enquanto Nascimento dizia a jornalistas que uma posição formal deve ser tomada em reunião da Executiva Nacional do partido, que será realizada entre o final de março e o começo de abril, a bancada do PR na Câmara se reunia para decidir se segue o exemplo dos senadores da legenda, que na semana passada anunciaram sua ida para a oposição.

"O partido vai criar uma regra. Executiva será soberana", afirmou Nascimento.

A saída de Nascimento do comando do Ministério dos Transportes em julho do ano passado em meio a denúncias de irregularidades foi o estopim para a deterioração da relação entre a legenda e o governo e, na época, a sigla anunciou que atuaria de forma independente no Congresso.

Desde então, as ministras Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Ideli Salvatti (Relações Institucionais) mantiveram diálogo com membros do PR para que eles voltassem à base aliada, mas na semana passada os senadores disseram que não havia mais espaço para negociação.

Nascimento diz que "nada é irreversível na política", mas admite que a relação difícil do partido com o governo federal está contaminando a posição dos diretórios regionais da legenda.

O partido reivindica, principalmente, voltar ao comando da pasta dos Transportes pois não reconhece o atual titular, Paulo Sérgio Passos, como representante da sigla, apesar de ele ser filiado ao PR.

Também nesta terça, Nascimento anunciou que o partido não mencionará o governo federal nas inserções de TV a que tem direito a partir de maio.

O PR terá 40 inserções, de 30 segundos, na TV entre maio e junho e elas serão destinadas a dar publicidade às ações regionais do partido visando as eleições municipais.

"Em função dos desencontros com governo federal, nós passamos a voltar a atenção aos Estados e municípios", disse o presidente do PR.

Apesar do crescente tensionamento com o Palácio do Planalto verbalizado por líderes do PR desde o ano passado, quando anunciou posição de independência, parlamentares da legenda por muitas vezes votaram de acordo com a orientação do Executivo tanto na Câmara como no Senado.

O PR não é a única legenda da base aliada que tem mostrado descontentamento com o governo Dilma. Outros partidos, como PSC e PTB, estão se reunindo para decidir como atuarão no Congresso após não verem seus pedidos por maior espaço na estrutura federal atendidos.

Além disso, a presidente enfrenta focos de tensão no PMDB, maior partido da coalizão. Na Câmara deputados peemedebistas já fizeram até um manifesto reclamando do tratamento do governo.

No Senado, o governo sofreu derrota recente com a não-recondução de Bernardo Figueiredo ao comando da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Somados, os votos de senadores do PMDB e do PT, partido de Dilma, seriam capazes de garantir a recondução.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA PR ATEABRIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.