PR tem único banco com DNA de pedófilos do País

O Paraná mantém o único banco de DNA do País com informações genéticas de pessoas presas sob acusação de pedofilia ou violência sexual. O Laboratório de Genética Molecular Forense já conta com cerca de cem exames. O recurso, porém, foi insuficiente para identificar o autor da morte de Rachel Genofre, de 9 anos, encontrada dentro de uma mala em Curitiba, no dia 5. "Infelizmente, ainda não temos um banco nacional", disse o secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari. Sobre os recentes casos de violência contra crianças no Estado - em pouco mais de dez dias foram mortas quatro meninas, duas com violência sexual comprovada, - o secretário afirmou que três deles foram solucionados "rapidamente". Questionado sobre a sucessão de crimes, Delazari disse não ver "explicação para isso". O Instituto de Criminalística está analisando um lençol da cama onde Lavínia Rabech da Rosa, de 9 anos, foi encontrada morta na noite de sábado, em Curitiba. Segundo a polícia, há manchas de sangue e indícios de violência sexual. O morador de rua Mariano Martins, suspeito do crime, está preso. O corpo da menina foi sepultado ontem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.