Preço de bilhete aéreo caiu em 2012, diz Anac

Quem viajou de avião no Brasil entre janeiro e setembro do ano passado pagou em média R$ 273,32 pela passagem aérea, segundo dados que serão divulgados nesta quinta-feira pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e que são corrigidos pela inflação. O preço é levemente menor (0,15%) do que o praticado no mesmo período de 2011 e pouco mais da metade do valor cobrado há dez anos, de R$ 542,64.

MARINA GAZZONI, Agência Estado

17 de janeiro de 2013 | 09h33

"Em 2002, apenas 30,45% das passagens aéreas eram comercializadas com tarifas inferiores a R$ 300. Hoje esse valor abarca cerca de 70% delas", disse a superintendente de regulação econômica da Anac, Danielle Crema.

A redução de preços reflete a dificuldade das companhias aéreas em repassar os aumentos de custos ao valor do bilhete. O preço do combustível em dólar, que representa cerca de 40% do custo das companhias aéreas brasileiras, subiu cerca de 35% de janeiro de 2010 a setembro de 2012.

"O setor aéreo é muito competitivo. As empresas enfrentam dificuldade em recompor preços", disse o diretor de comunicação da Azul, Gianfranco Beting.

Para conseguir repassar o aumento de custos, as companhias brasileiras pisaram no freio. A oferta de assentos no mercado de voos domésticos caiu 5,68% em novembro, na comparação com o mesmo mês de 2011.

"Se aumentarmos o preço, a demanda diminui. Por isso, estamos trabalhando com uma maior disciplina de capacidade para aumentar a ocupação das aeronaves", disse a TAM, em nota.

As companhias aéreas afirmam que a tendência é de recuperação de preços. Os dados da Anac mostram que esse movimento começou, timidamente, no terceiro trimestre de 2012.

Apesar de também enxergar a necessidade de elevar tarifas, a Gol disse, em nota, que ainda oferecerá preços menores que o ônibus em vários trechos.As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Mais conteúdo sobre:
preçopassagemavião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.