Preços ao produtor brasileiro aceleram alta a 0,25% em novembro

O índice de preços ao produtor acelerou em novembro ao registrar alta de 0,25 por cento, influenciado pelo impulso dos preços de alimentos e da fabricação de produtos de madeira, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Reuters

03 de janeiro de 2013 | 10h00

O IBGE revisou o dado de outubro para uma alta de 0,23 por cento depois de anunciar anteriormente avanço de 0,21 por cento . No acumulado em 12 meses em novembro os preços apresentaram alta de 6,64 por cento.

Em novembro, 14 das 23 atividades pesquisadas apresentaram alta de preços na comparação com o mês anterior, segundo o IBGE.

As maiores variações positivas ocorreram nos preços de fabricação de produtos de madeira (1,96 por cento), de máquinas e equipamentos (1,44 por cento) e de fumo (1,32 por cento).

Já os preços da fabricação de produtos alimentícios, que pressionaram os preços ao produtor durante a maior parte do ano, voltaram a subir, com uma alta de 0,58 por cento, depois de recuarem 1,44 por cento em outubro, na primeira variação negativa desde fevereiro.

Esse grupo foi o que exerceu a maior influência na variação mensal do indicador, com 0,12 pontos percentuais

Na comparação com o mesmo mês de 2011, as maiores variações de preços ocorreram em fumo (19,02 por cento), alimentos (13,87 por cento), bebidas (13,12 por cento) e papel e celulose (11,70 por cento).

As principais influências na comparação de novembro com o mesmo mês do ano anterior vieram dos alimentos (2,62 pontos percentuais), outros produtos químicos (0,90 ponto) e refino de petróleo e produtos de álcool (0,63 ponto).

O índice mede os preços "na porta das fábricas" e não inclui os custos com frete e impostos que influenciam os preços ao consumidor.

Após chegarem a registrar deflação recentemente, os preços no atacado voltaram a subir neste final de ano, enquanto os do varejo aceleraram.

Na semana passada foi divulgado que o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) subiu 0,68 por cento em dezembro, ante leve queda de 0,03 por cento vista em novembro, acumulando alta de 7,82 por cento em 2012.

(Por Camila Moreira)

Mais conteúdo sobre:
MACROPRECOSPREDUTORATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.