Prefeito de Florianópolis é indiciado por crime ambiental

Dário Berger, do PMDB, foi indiciado em operação que investiga licenciamento irregular de imóveis

MARCO BRITTO, Agencia Estado

23 de outubro de 2007 | 19h02

O prefeito de Florianópolis, Dário Berger (PMDB), foi indiciado pela Polícia Federal junto com 53 nomes no relatório da Operação Moeda Verde, que investiga irregularidades no licenciamento ambiental de empreendimentos imobiliários na capital catarinense. As informações do documento, que deveria correr em sigilo de Justiça, chegaram à imprensa na segunda-feira e revelaram novos nomes na lista dos envolvidos nas investigações, como é o caso do prefeito.Além de Berger, o procurador-geral do município, Jaime de Souza, o diretor-presidente do Instituto de Planejamento Urbano (Ipuf), Ildo Rosa, e o empresário Carlos Amastha foram incluídos entre os indiciados. O vazamento das informações sigilosas armou um forte clima de disputa política em Santa Catarina. O prefeito declarou que está sendo vítima de "uma perseguição sórdida e sorrateira, que não apresenta nenhuma prova concreta de seu envolvimento nos fatos investigados". Berger, que recebeu a notícia do indiciamento pela imprensa, se diz indignado e afirma que todas as licenças ambientais sob investigação foram concedidas na administração anterior, de Ângela Amin, atualmente deputada federal pelo PP. O prefeito foi indiciado por advocacia administrativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e formação de quadrilha.Foro privilegiadoO juiz Zenildo Bodnar, da Vara Federal Ambiental de Florianópolis, declarou que a Justiça Federal de primeira instância não tem competência para conduzir o inquérito em função do indiciamento do prefeito, que possui foro privilegiado. O processo foi levado ao Ministério Público Federal para intimação, e em cinco dias segue para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.