Felipe Corazza/Estadão
Felipe Corazza/Estadão

Prefeito de Natal decretará estado de calamidade pública

As fortes chuvas que atingem Natal desde sexta-feira causaram alagamentos e deslizamentos em várias partes da cidade. Moradores de dois edifícios e de dezenas de casas do bairro de Areia Preta, na orla, foram retirados de suas residências. A prefeitura de Natal – uma das cidades-sede da Copa – publicará nesta segunda-feira, dia 16, decreto de calamidade pública.

ANNA RUTH DANTAS, ESPECIAL PARA A AE, FELIPE CORAZZA, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S. Paulo

15 Junho 2014 | 17h53

Em pouco mais de 48 horas, o volume de precipitação chegou a quase 320 milímetros – acima do esperado para todo o mês.

Com um deslizamento ocorrido na madrugada de domingo, a orla – região nobre – tem a situação mais crítica. Um morro cedeu e levou parte dos barracos, além de água e lama para dentro de dois prédios, impedindo a entrada e a saída dos moradores. Os bombeiros interditaram a área.

Pela manhã, a água continuava a descer pela encosta na direção da Avenida Governador Silvio Pedroza, continuação da Via Costeira. A chuva ainda ameaça desabar o restou no morro.

Centenas de moradores tiveram de sair de suas casas – a Defesa Civil não informou o número exato – e foram levados para uma escola no bairro de Mãe Luíza e de Santos Reis, zona leste, e para o ginásio Nélio Dias, na zona norte. Agentes da Defesa Civil e da Cruz Vermelha trabalham no local para tentar resolver o problema.

Caminhões e tratores foram enviados pela prefeitura para retirar a terra e a areia que cederam, ocupando totalmente a Via Costeira, avenida à beira-mar e principal rota do turismo na cidade.

Problema em obra. Um jovem que perdeu a casa no desabamento contou ao Estado que o problema começou em uma obra que estava sendo realizada para reparos em bueiros da área. Ricardo Amaral, engenheiro enviado pela prefeitura para avaliar os danos, disse que é cedo para apontar causas. 

Também foram registrados alagamentos em outros bairros de Natal. A situação foi agravada pelo transbordamento das lagoas de captação: quatro delas não suportaram o volume de água e transbordaram, inundando 30 casas nas zonas sul e leste. 

Na área turística de Ponta Negra, a locomoção dos turistas que chegaram para a Copa ficou difícil e os táxis não deram conta da demanda.

As chuvas atingiram obras de mobilidade que ainda não foram concluídas. O túnel na Rua Raimundo Chaves, em Candelária, na zona sul, ficou alagado. A previsão era que a obra fosse liberada neste fim de semana.

Atualizada às 18h43

Mais conteúdo sobre:
Natalchuvascalamidade pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.