Prefeitos do Texas querem represas para conter imigração

Para grupo formado também por empresários e juristas, plano é mais barato que muro.

Will Grant, BBC

14 de novembro de 2007 | 13h20

Um grupo de prefeitos de cidades próximas à fronteira com o México, no estado americano do Texas, pediu o represamento de partes do Rio Grande para dificultar a imigração ilegal.Os prefeitos querem aprofundar e alargar a fronteira natural com o México por meio de uma série de represas baixas ou barragens nas planícies inundáveis do deserto.O Rio Grande, chamado Rio Bravo del Norte no México, forma a fronteira entre o estado americano do Texas e o México.Dezenas de milhares de pessoas cruzam o rio de fronteira ilegalmente todos os meses, pois a região é um ponto popular de entrada para os imigrantes que tentam viver nos Estados Unidos.Os críticos da iniciativa afirmam que mais pessoas vão morrer tentando passar pela fronteira se a passagem pelo rio ficar mais perigosa.Muitos moradores das regiões de fronteira estão insatisfeitos com o crescimento da imigração.Parte da resposta do governo do presidente George W. Bush foi o início da construção de centenas de quilômetros de um muro de segurança que percorre a fronteira e que deverá contar também com patrulheiros e câmeras de segurança.Mas o grupo de prefeitos texanos, líderes empresariais e juristas afirmou que esta estratégia é um engano. Para eles, a chave para por fim à imigração ilegal, pelo menos no Texas, é o Rio Grande."Teremos apenas uma chance de assegurar a fronteira e achamos que nesta era moderna a tecnologia é a maneira de fazer isso", disse o líder do grupo, Chad Foster, prefeito de Eagle Pass."O muro (...) vai levar a uma falsa sensação de segurança e a patrulha de fronteira já afirmou que ele vai apenas atrasar em três ou quatro minutos a entrada ilegal (de um imigrante)", acrescentou.A proposta do grupo é a construção de represas em vários pontos importantes da planície, para alargar e aprofundar o rio, fazendo com que a travessia por ele fique perigosa demais.O grupo acredita que a medida, se for tomada em conjunto com uma melhor vigilância, é muito mais econômica que a construção do muro.Algumas cidades de fronteira do lado mexicano do Rio Grande também aprovariam a medida, pois acreditam que as represas poderão aumentar os suprimentos de água para a região.Mas os críticos da proposta afirmam que este plano não vai reduzir o número de pessoas dispostas a arriscar tudo na busca de uma vida melhor nos Estados Unidos. E tornar a travessia pelo rio mais perigosa simplesmente vai resultar em mais mortes.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.