Prefeitura dá aval para prédio da USP no centro de SP

A Universidade de São Paulo (USP) obteve aval da Prefeitura para erguer um edifício de 16 andares no centro da capital paulista. O prédio será construído em um terreno onde hoje funciona um estacionamento particular, na já saturada Rua da Consolação. O edifício deve abrigar o setor jurídico da universidade e a Procuradoria da USP, além de repartições da Editora da USP.

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2012 | 03h07

O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) autorizou a edificação no dia 12. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) dera parecer favorável em novembro.

Como o Estado revelou, a USP prevê gastar R$ 11,4 milhões na construção - dos quais R$ 7,4 milhões foram pagos à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pela aquisição do terreno.

A USP comprou o terreno e o projeto do edifício da Fapesp, que encomendara o prédio ao escritório de arquitetura Castro Mello, em 1991.

A USP prevê que as obras terminem em 2013. Como o projeto executivo da obra é de 1991, a universidade terá de fazer modificações para atender novas exigências de acessibilidade, entre outras. Somente depois disso a obra poderá ser licitada.

Em dezembro, o arquiteto Eduardo Della Manna, sócio-diretor da empresa PPU, disse que o preço de R$ 4 milhões para o prédio de 16 andares, anunciado pela universidade, está "completamente fora da realidade".

A USP toca simultaneamente outros dez projetos de novos prédios e reformas, com previsão de gastos de R$ 60 milhões por ano até 2013. As obras se concentram no principal câmpus da USP, no Butantã, na zona oeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.