Prefeitura do Rio adia inauguração da Cidade da Música

Corpo de Bombeiros alega que obra está inacabada e que local não atende exigências de segurança

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2008 | 19h06

O prefeito do Rio, Cesar Maia, que em 15 dias passa o cargo para Eduardo Paes, sofreu um duro golpe. Ele foi obrigado a adiar a inauguração da Cidade da Música, sua obra mais polêmica, que consumiu R$ 518 milhões. O Departamento de Diversões Públicas do Corpo de Bombeiros, órgão subordinado ao governo do Estado, não deu licença para abertura do complexo cultural, que seria inaugurado nesta quinta-feira, 18, com um concerto da Orquestra Sinfônica Brasileira para 1.300 pessoas. "A obra está inacabada. A prefeitura fez um esforço para atender todas as exigências, mas a Cidade da Música ainda não está apta para receber um público de mais de mil pessoas", explicou o Coronel do Corpo de Bombeiros, Roni de Azevedo Lima.   Há dois dias, os bombeiros fizeram uma inspeção por conta própria, já que nenhum órgão da prefeitura tinha feito o pedido de licença. Segundo o órgão, não havia a menor condição de liberar o acesso ao público por conta de uma série de irregularidades. Durante a noite de quarta-feira e esta manhã, os funcionários trabalharam freneticamente para tentar resolver todos os problemas. Mas não adiantou.   Nas inspeções feitas nesta quinta, as equipes dos bombeiros encontraram várias irregularidades. "A fiação está exposta, as saídas de emergências estão obstruídas e as caixas de incêndio ainda não foram instaladas", enumerou Roni de Azevedo Lima. Segundo o chefe da Defesa Civil Municipal, Coronel João Carlos Mariano, foi feito um acordo com os bombeiros. "Vamos reforçar os equipamentos contra incêndio e pânico para obter a licença."   O secretário municipal das Culturas, Ricardo Macieira, disse que a nova data de inauguração será definida nesta sexta-feira, 18. "Vamos inaugurar com tranqüilidade e segurança." A Cidade da Música, na Barra, na zona oeste, ainda era um grande canteiro de obras. Havia grama empilhada nos canteiros, os espelhos não tinham sido instalados e apenas metade da pista de acesso do público estava limpa. Na outra parte, ainda havia muita terra e escavadeiras trabalhando. Cesar Maia tem até o dia 31 de dezembro para inaugurar a sua maior obra nos seus últimos oito anos de prefeitura. No dia 1º, ele passa o cargo para Eduardo Paes, aliado do governador Sérgio Cabral..

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Cidade da Música

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.