Prefeitura do Rio dará suporte a protestos, diz Paes

O prefeito Eduardo Paes fez no final da manhã desta sexta-feira, 21, um balanço da destruição no Rio de Janeiro provocada ontem à noite durante protesto no Centro da cidade. Segundo ele, além do Terreirão do Samba, também o Sambódromo foi depredado. Foram danificados 98 sinais de trânsito, 31 placas de sinalização foram destruídas ou roubadas, 62 abrigos de ônibus foram apedrejados e 46 placas de identificação de ruas, quebradas. Paes afirmou que, apesar dos atos de vandalismo, a prefeitura dará todas as garantias para a realização de manifestações pacíficas, como organização do trânsito e segurança da guarda municipal.

LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

21 de junho de 2013 | 12h24

A sede da Unidade de Ordem Pública no Centro foi, segundo Paes, atacada e sete carros particulares de guardas municipais, além de um carro de serviço, foram depredados. O hospital municipal Souza Aguiar atendeu 62 feridos, sendo dois guardas municipais, informa o balanço da prefeitura. "A gente pede que o povo carioca saiba que a prefeitura está recuperando a cidade. O governo vai agir para proteger os que acreditam na democracia, mas é inaceitável que se deprede qualquer coisa. As manifestações terão respaldo da prefeitura", afirmou o prefeito. Segundo a prefeitura, os setores 1 e 3 do sambódromo foram os mais danificados na noite de ontem.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosRioEduardo Paes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.