Prefeitura quer repassar gasto com blocos

Patrocinador do carnaval terá de instalar banheiro e controlar ambulante

Roberta Pennafort e Márcia Vieira, O Estadao de S.Paulo

12 Dezembro 2009 | 00h00

A prefeitura do Rio procura uma empresa que seja patrocinadora oficial do carnaval de rua e banque a instalação de banheiros químicos e o controle dos ambulantes, entre outros gastos.

Por sua vez, os blocos também buscam patrocinadores, a fim de levantar recursos para pagar músicos e carros de som. A Rede Globo já assinou com a Sebastiana, associação que reúne alguns dos blocos mais frequentados da cidade.

Para Rita Fernandes, presidente da Sebastiana, essa é uma forma de livrar os foliões das camisetas com marcas de cerveja e empresas de telefonia, setores que costumam apoiar os blocos. A Globo Rio, braço da Rede Globo que acertou o patrocínio, informou que não exigirá a exibição de sua logomarca. O objetivo, segundo a Assessoria de Imprensa da emissora - que já detém os direitos do carnaval no Sambódromo -, é divulgar o carnaval de rua do Rio e evitar a profusão de marcas. As demais emissoras não serão proibidas de filmar os desfiles, garante.

A questão da exibição de logomarcas também preocupa a prefeitura. Tanto que o Caderno de Encargos e Contrapartidas, lançado ontem para conhecimento das empresas candidatas a patrocinadora oficial, deixa claro que a selecionada - que terá de arcar com itens como 3.200 banheiros químicos e 80 UTIs móveis por dia - vai se submeter a regras restritivas. "Não estou vendendo o carnaval, mas prestando um serviço para os blocos. Quero evitar que vire algo comercial, como em Salvador", afirmou Antonio Pedro Figueira de Mello, presidente da Riotur. Os interessados devem se inscrever de 21 a 28 de dezembro.

O objetivo é pôr alguma ordem no carnaval, que cresceu muito nos últimos anos (a estimativa é que 2,5 milhões de foliões participem). E também desonerar a prefeitura em cerca de R$ 5 milhões.

A Riotur está cadastrando os blocos desde o início do ano. Só os 460 que se inscreveram poderão desfilar - os que insistirem serão coibidos pela Guarda Municipal e pela Polícia Militar. Todos terão quatro horas para desfilar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.