Premiê britânico defende reforma em financiamento de partidos

O primeiro-ministro britânico, GordonBrown, defendeu uma reforma das regras de financiamento dospartidos políticos no sábado, depois que um empresáriomultimilionário envolvido em um escândalo de doações secretasresponsabilizou o Partido Trabalhista pelo incidente. Brown disse que as revelações de que o empreiteiro DavidAbrahams teria doado 600 mil libras (2,2 milhões de reais) parao Partido Trabalhista através de intermediários indica anecessidade de "mudanças imediatas" em seu partido e "umamudança ampla" no sistema de financiamento. "Fico furioso, assim como vocês, quando as normas ficamaquém do que nós e o público em geral queremos e temos odireito de esperar", disse ele em uma reunião do partido, nonorte de Londres. Ele disse que ficou triste com a situação, que está sendoinvestigada pela polícia. O Partido Conservador, de oposição, acusou Brown de tentardesviar a atenção do escândalo de doações, dizendo que elerejeitou propostas dos conservadores para uma reforma dosistema de financiamento. O escândalo levou o governo de Brown à sua pior crise desdeque ele recebeu a liderança do Partido Trabalhista do TonyBlair, em junho. Abrahams afirmou que fez as doações anonimamente porque nãoqueria chamar atenção para sua fortuna. "Confiei que o Partido Trabalhista garantiria que asdoações seriam recebidas e gastas da maneira adequada, comoqualquer pessoa na minha situação faria", escreveu ele nojornal Guardian. Em resposta, um porta-voz do trabalhista disse que opartido estava cooperando com a polícia, mas não fariacomentários durante o todo processo de investigação. A lei britânica exige que as pessoas que fazem doações emnome de terceiros revelem a fonte do dinheiro. Brown declarouque a doação de Abrahams seria devolvida.

JENNIFER HILL, REUTERS

01 de dezembro de 2007 | 15h52

Tudo o que sabemos sobre:
BROWNDOACOES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.