Premiê da Tunísia reitera que vai formar governo de tecnocratas

O primeiro-ministro da Tunísia, Hamadi Jabali, reiterou nesta sexta-feira sua intenção de formar um gabinete apartidário e tecnocrata após o assassinato de um político da oposição, apesar das objeções de seu próprio partido, de linha islamista.

Reuters

08 de fevereiro de 2013 | 18h13

"Eu insisto em minha decisão de formar um governo de tecnocratas", disse ele a repórteres, dizendo que para isso não seria necessária a aprovação da Assembleia Nacional Constituinte. "Esse governo está pronto."

Jabali não revelou os nomes de seus novos ministros, mas afirmou que a aprovação da Assembleia seria desnecessária pelo fato de ele não estar dissolvendo o governo, e sim substituindo todos os seus membros.

O plano de formação de um gabinete de tecnocratas, divulgado na quarta-feira, após o assassinato do político secularista da oposição Chokri Belaid, foi alvo de críticas do partido de Jabali, o Ennahda, e de seus dois parceiros minoritários, não islamistas, na coalizão de governo.

Todos se queixaram de que o primeiro-ministro não os consultou para tomar essa decisão.

(Reportagem de Tarek Amara)

Tudo o que sabemos sobre:
TUNISIAGOVERNOTECNOCRATAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.