Presa advogada suspeita de ser informante de facções

Uma advogada do Rio de Janeiro foi presa em flagrante ontem quando visitava um cliente na Penitenciária Federal de Catanduvas, no oeste do Paraná, a cerca de 470 quilômetros de Curitiba. Ela estaria passando recados de facções criminosas para presos que estão na unidade de segurança máxima. A advogada também é acusada de formação de quadrilha. A prisão foi feita em uma operação conjunta de policiais federais de Cascavel e agentes penitenciários de Catanduvas.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 15h39

Segundo a Polícia Federal (PF), a advogada, que não teve o nome revelado, levou uma carta manuscrita para ser mostrada a um dos líderes de uma organização criminosa do Rio. Nela havia informações das atividades de outra facção, inclusive um homicídio. Segundo a polícia, em razão de investigações, algumas visitas eram acompanhadas pelo sistema de câmeras, com autorização judicial.

A advogada teria sido flagrada no momento em que mostrava a carta e, posteriormente, ao perceber a filmagem, rasgou e tentou esconder o documento. "A atitude da advogada extrapolou o nobre exercício da advocacia e os limites que devem nortear as relações cliente e advogado", afirmou a PF, em comunicado. O preso também foi autuado no crime de formação de quadrilha. A polícia deve fazer mais buscas para reforçar as acusações contra a advogada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.