Presa quadrilha de roubo a carros-fortes em Campinas

Uma quadrilha especializada em ações de roubo a carros-fortes no Estado de São Paulo foi presa nesta quarta-feira, 25, em Campinas, interior de São Paulo. O grupo, liderado pela mulher de um detento, planejava uma ação em Itatiba, quando foi presa por policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

RICARDO BRANDT, Agência Estado

26 de setembro de 2013 | 19h04

Foram detidos oito criminosos (cinco homens e três mulheres) nas cidades de Campinas e Sumaré. A suposta líder do grupo foi detida em Presidente Epitácio. Com eles foram encontrados um fuzil AK-47, uma metralhadora, uma pistola .40, um revólver calibre 38, coletes à prova de balas e roupas de uma empresa de transporte de valores.

Pelo menos seis ações de roubo a carros-fortes realizadas desde o ano passado são atribuídas à quadrilha, que agia sempre com violência, segundo o delegado da 2ª Divecar, Alberto Pereira Matheus Júnior. "Eles atiraram em três policiais militares com fuzil", afirmou.

Em duas ações da quadrilha monitoradas por câmeras de segurança, o grupo atirou contra policiais militares e guardas municipais. A última foi no dia 5 de setembro, quando os criminosos fariam um roubo em Mogi Guaçu e foram seguidos por uma viatura da Guarda Municipal.

Uma das câmeras de segurança flagrou o momento em que três dos assaltantes descem do carro em que a quadrilha fugia e disparam contra a guarda. Ninguém ficou ferido. Os homens que atiraram contra a viatura da GM já foram identificados entre os presos.

Em outra ação em Araras, no dia 4 de abril, o grupo parou dois carros-fortes na rodovia Anhanguera, atirando com fuzil e depois explodiu os cofres. A Polícia Militar Rodoviária foi recebida a tiros. O grupo fugiu com R$ 7 milhões.

Segundo as investigações do Deic, uma nova ação aconteceria nesta quarta-feira, 25, em Itatiba e estava sendo organizada de dentro do presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes.

Líder

Uma mulher, que não teve o nome divulgado, foi presa em Presidente Epitácio. Ela é apontada como líder do bando. "Ela tem poder de vida e morte dentro da quadrilha", disse o delegado Matheus Júnior. Seu marido seria detendo do presídio e repassava as ordens para a mulher. Outros quatro criminosos estão sendo procurados.

Em Sumaré, a polícia prendeu a assistente administrativa R.M.S.P, de 24 anos, e a auxiliar P.C.S., de 24 anos. Na casa da primeira foi localizado o fuzil AK 47. Na cidade, foram detidos também o corretor de imóveis E.M., de 39 anos, o ajudante E.R.S., de 25 anos, e o soldador M.D.Z., de 23 (na casa dele foi localizada uma metralhadora mini-Uzi 9mm e a pistola .40).

Em Campinas, os policiais prenderam o pintor A.B.A.A., de 23 anos, e o ajudante de eletricista M.P.S., de 19 anos. Nas casas deles foram localizados os coletes e o revólver, respectivamente.

Mais conteúdo sobre:
carros-fortesquadrilhaprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.