Presidente da empresa pede desculpas ao povo

O presidente da Chevron Brasil Petróleo, George Buck, pediu ontem desculpas ao povo brasileiro pelo vazamento de petróleo no Rio de Janeiro. Ele garantiu que a empresa tomou todas as providências para preservar a vida das pessoas e do meio ambiente. "Agimos com a maior responsabilidade", disse, durante audiência pública na Câmara.

KARLA MENDES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2011 | 03h04

À noite, a Chevron divulgou nota em que confirma a suspensão de perfurações e diz que manterá as atividades de produção naquela região. Segundo a empresa, a mancha no mar está reduzida a um tamanho equivalente a um barril de óleo.

Documentação. A Chevron entregou ontem ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) dados e informações referentes ao plano de emergência para contenção do vazamento de petróleo no Rio. "A empresa entregou todas informações que requisitamos hoje de manhã (ontem), no Rio", afirmou o presidente do Ibama, Curt Trennepohl.

Se o plano de emergência tiver sido cumprido, conforme estabelece o licenciamento ambiental, a Chevron não será multada, segundo Trennepohl. "Nós estamos cruzando as informações da empresa com os dados da ANP e Marinha", ressaltou.

Para ele, é "impossível dimensionar" os prejuízos causados pelo vazamento e sua ocorrência mostra que ninguém está preparado para evitar esse tipo de acidente ambiental. Trennepohl defende a criação de um fundo para concentrar recursos a serem aplicados no caso de acidentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.