Presidente do Iêmen diz que renuncia se rivais forem excluídos

Transferência de poder a opositores significaria 'ceder a golpe', disse Saleh à mídia americana

REUTERS

30 de setembro de 2011 | 07h19

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, disse em entrevista publicada nesta sexta-feira, 30, que somente renunciará se seus principais rivais não assumirem em seu lugar, posição que pode prorrogar o impasse no país.

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

"Porque se transferirmos o poder e eles estiveram lá, isso vai significar que cedemos a um golpe", disse Saleh ao jornal The Washington Post e à revista Time.

Saleh tem se mantido no poder apesar de oito meses de protestos maciços exigindo o fim de seus 33 anos no poder. Uma tentativa de assassiná-lo em junho o fez ir à Arábia Saudita para três meses de tratamento de queimaduras graves.

A surpreendente volta de Saleh ao Iêmen na semana passada suspendeu as negociações sobre um plano de transição mediada por países do Golfo.

Mais de 100 pessoas foram mortas em duas semanas de violência na capital Sanaa. Tropas leais a Saleh têm combatido as forças lideradas pelo general rebelde Ali Mohsen e os combatentes do líder tribal Sadeq a-Ahmar, que aderiram à oposição.

Saleh quer que Mohsen, cuja deserção em março foi um duro golpe no presidente, seja excluído do poder juntamente com Ahmar e seu irmão Hamid. Isso pode se provar difícil, já que Hamid al-Ahmar já expressou interesse em se tornar presidente e Mohsen comanda uma grande força ao redor do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.