Presidente do Timor Leste acorda de coma induzido

José Ramos-Horta se recupera de tentativa de assassinato após ser alvejado em sua casa há dez dias

Da BBC Brasil, BBC

21 de fevereiro de 2008 | 05h55

O presidente do Timor Leste, José Ramos-Horta, acordou de um coma induzido dez dias depois de ser gravemente ferido em um ataque cometido por rebeldes. Os médicos que tratam Ramos-Horta em um hospital em Darwin, no norte da Austrália, disseram que ele está se recuperando lentamente e que chegou a falar rapidamente com familiares.   Veja Também Leia entrevista de Ramos-Horta ao 'Estado' Ramos-Horta é figura central há 30 anos Miséria e violência: combustíveis da crise  Ramos-Horta tinha sido levado de avião ao hospital depois de ser alvejado a tiros pelos rebeldes em frente à sua casa em Díli, capital do Timor Leste, no dia 11 de fevereiro. No mesmo ataque, o líder rebelde Alfredo Reinado foi morto na troca de tiros com força de segurança. Tropas australianas no Timor Leste estão à procura de seguidores de Reinado.  Agentes do FBI chegaram ao Timor Leste para ajudar nas investigações. Os rebeldes também chegaram a atirar contra um carro que levava o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, que escapou ileso.Ramos-Horta, que levou tiros nas costas e no peito, foi submetido a uma série de operações no hospital australiano. O Timor Leste se encontra sob estado de emergência desde os ataques, com tropas australianas e forças da ONU ajudando a manter a paz no país. Pelo menos 17 mandados de prisão foram emitidos em conexão com os ataques, atribuídos ao grupo de ex-soldados liderado por Reinado. O grupo protagonizou a onda de violência que varreu o país após a expulsão de 598 militares do Exército, em maio de 2006. Na ocasião, pelo menos 37 pessoas foram mortas em várias semanas de combates e mais de 150 mil timorenses foram obrigados a deixar suas casas.     Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Timor LesteJosé Ramos-Horta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.