Presidente egípcio diz que regime de Assad na Síria não tem futuro

O presidente do Egito, Mohamed Mursi, disse neste sábado que seu país apoia a revolução síria e que o governo do presidente Bashar al-Assad não tem lugar no futuro da nação.

Reuters

29 Dezembro 2012 | 11h37

Mursi afirmou que a prioridade do Egito é conter a violência e trabalhar com "consenso e apoio árabe, regional e internacional" por uma solução política que permita que "o povo sírio substitua o atual regime" por líderes eleitos.

"Tudo isso, preservando a unidade da Síria", afirmou o islamita Mursi durante um discurso televisionado ao Conselho Shura, equivalente ao Senado.

"Não há lugar para o atual regime no futuro da Síria."

Assad tem perdido terreno para os rebeldes na revolução, que já dura 21 meses. Os egípcios derrubaram o presidente autoritário Hosni Mubarak em uma revolta popular em fevereiro de 2011. Mursi assumiu o cargo após uma eleição livre neste ano.

"A revolução do povo sírio, que nós apoiamos, avançará se Deus quiser para realizar as metas de liberdade, dignidade e justiça social", acrescentou Mursi.

(Por Tom Perry)

Mais conteúdo sobre:
EGITO SIRIA APOIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.