Presidente russo espera que Obama 'reconstrua' relações

Dmitry Medvedev diz que futuro presidente poderá resgatar 'confiança mútua'.

Da BBC Brasil, BBC

16 Novembro 2008 | 13h45

O presidente russo, Dmitry Medvedev, disse esperar que o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, ajude a "reconstruir" as relações entre os dois países.Em um discurso em Washington após a reunião dos chefes de estado do G20, o líder russo disse que uma nova administração americana poderá lidar com o que descreveu como "falta de confiança mútua necessária".Medvedev disse que pretende se encontrar com Obama logo após sua posse, em janeiro."As relações entre Rússia e os Estados Unidos precisam de confiança mútua. Nós depositamos nossas esperanças na chegada da próxima administração americana", disse.Medvedev também indicou que a Rússia poderia revisar sua posição sobre os planos americanos de instalar um escudo antimísseis no leste europeu.Há duas semanas, o presidente russo disse que instalaria mísseis de curto alcance no enclave de Kaliningrado para "neutralizar" o sistema antimísseis americano planejado para ser implantado na Polônia e na República Checa.Mas, no sábado, Medvedev baixou o tom do discurso dizendo que a Rússia não será a primeira a agravar a situação. "Nós não vamos fazer nada até que os Estados Unidos dêem o primeiro passo", disse.Medvedev disse estar sendo encorajado por sinais de que Obama estaria menos entusiasmando com o escudo antimíssieis do que o presidente Bush."O primeiro sinal que recebemos mostra que nossos parceiros planejam pensar melhor sobre o programa antes de simplesmente carimbá-lo."O presidente russo também sugeriu pela primeira vez que Moscou aceitaria mudanças nos planos americanos em vez de exigir sua extinção pura e simplesmente."Nós temos a chance de resolver o problema seja por meio de um acordo sobre um sistema global ou pelo encontro de uma solução, dentro dos programas existentes, que satisfaçam a Federação Russa". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.