Presidente sírio culpa sabotadores por protestos contra o regime

O presidente sírio, Bashar al-Assad, disse nesta segunda-feira que "sabotadores" estão por trás dos distúrbios contra seu regime e que uma acomodação política não poderia ser alcançada com homens armados.

KHALED YACOUB OWEIS, REUTERS

20 Junho 2011 | 09h43

No seu terceiro pronunciamento desde que as manifestações começaram, quatro meses atrás, Assad parecia tenso ao prometer levar adiante um diálogo nacional sobre reformas e aventar a possibilidade de ampliar uma anistia concedida recentemente.

Mas ele afirmou: "Nós temos de fazer distinções (entre manifestantes e outros com demandas legítimas e os sabotadores). Os sabotadores são um pequeno grupo que tentou explorar a respeitosa maioria do povo sírio para pôr em prática seus esquemas."

Nenhuma solução política é possível com pessoas portando armas, disse ele.

Enquanto as forças sírias estavam vasculhando a fronteira noroeste do país com a Turquia, bloqueando milhares de pessoas que fugiam da repressão militar, Assad pedia que os cerca de 10 mil sírios que já cruzaram a fronteira voltassem para casa.

"Há quem lhes dê a impressão de que o Estado vai se vingar deles. Afirmo que isso não é verdade. O Exército está lá para manter a segurança", disse ele em um discurso na Universidade de Damasco.

Um comitê de diálogo nacional se reunirá nos próximos dias, com mais de 100 personalidades convidadas, para discutir critérios e mecanismos para uma reforma constitucional, declarou o presidente. Assad definiu o prazo de um mês para a apresentação de recomendações.

A operação militar da Síria ao longo da fronteira com a Turquia teve início após os maiores protestos em quatro meses contra Assad, realizados na sexta-feira, que a violenta repressão militar não conseguiu conter.

Grupos de defesa dos direitos humanos disseram que as forças de segurança mataram 19 manifestantes na sexta-feira.

Além dos mais de 10 mil refugiados na Síria, outros 10 mil estão abrigados em território sírio perto da fronteira, nos olivais e ricas áreas agrícolas perto de Jisr al-Shughour, relataram autoridades turcas.

Mas o ativista sírio Ammar al-Qurabi afirmou à Reuters que o Exército está agora impedindo os sírios alojados perto da fronteira de deixarem o país e acusou as forças pró-governo de atacar quem dê ajuda aos refugiados.

A violência perto da fronteira é um desafio para a política turca de "zero problemas com os vizinhos" e a seu esforço para se mostrar como um país campeão da democracia na região.

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que seu país se comprometeu a manter a fronteira aberta a refugiados e qualificou a repressão do governo sírio como "selvageria".

No entanto, não está claro se a censura da Turquia à Síria fez com que Erdogan conseguisse alguma influência sobre Assad para deter a violência.

(Reportagem adicional de Dominic Evans em Beirute)

Mais conteúdo sobre:
SIRIAASSADDISCURSA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.