Presidentes do oeste da África conversam com líder militar de Burkina Fasso

Presidentes do oeste da África conversam com líder militar de Burkina Fasso

Comunidade internacional faz pressão para que um civil assuma o comando da transição após a renúncia do ex-presidente Blaise Compaoré

REUTERS

05 Novembro 2014 | 11h06

Uma delegação de presidentes de países do oeste africano iniciou conversas com o novo líder militar de Burkina Fasso nesta quarta-feira, a fim de buscar uma transição liderada por civis após a renúncia do ex-presidente Blaise Compaoré na semana passada.

O presidente de Gana, John Dramani Mahama, atual líder do bloco regional do oeste africano Cedeao, encontrou-se brevemente a portas fechadas com o tenente-coronel Isaac Zida, que foi apontado como presidente interino pelo Exército no sábado.

Mahama, desde estão, realizou consultas com o representante especial da ONU para o oeste africano, Mohammed Ibn Chambas, e com o presidente da comissão da Cedeao, Kadre Desire Ouedraogo, ele próprio de Burkina Fasso.

O presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, e o presidente do Senegal, Macky Sall, também chegaram a Burkina Fasso na quarta-feira a convite de Mahama, como parte de uma delegação de líderes da Cedeao.

Os três presidentes devem realizar conversas conjuntas com os principais atores políticos de Burkina Fasso nesta quarta-feira.

Zida anunciou a suspensão da Constituição de 1991 de Burkina Faso após as manifestações que forçaram a saída de Campaore na sexta-feira, ele que estava há 27 anos no cargo. Manifestantes haviam tomado as ruas na quinta-feira, quando Campaore tentou forçar pelo parlamento uma reforma que o permitiria buscar a reeleição no ano que vem.

Os militares também dissolveram a Assembleia Nacional e impuseram um toque de recolher.

Em meio à crescente pressão internacional para que um civil assuma o comando da transição, Zida prometeu, na segunda-feira rapidamente ceder o poder para um governo transitório e apontar um novo chefe de Estado.

(Por Mathieu Bonkougou e Nadoun Coulibaly)

Mais conteúdo sobre:
BURKINAFASSO CONVERSAS OUTROSLIDERES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.