Presídios terão rastreadores de celular

O Ministério da Justiça quer mudar a forma de impedir ligações de celular em presídios. Em vez de usar bloqueadores de sinal ou até desligar as antenas ao redor das prisões, o Ministério vai usar uma tecnologia que rastreia e bloqueia as ligações, chamada de ERB móvel. O órgão pretende comprar 35 aparelhos e instalar pelo menos um deles em cada Estado. Leia a reportagem completa no caderno Cidades/Metrópole desta terça-feira no Estado. Os bloqueadores de sinal foram considerados obsoletos e ineficazes pelo Ministério e por especialistas. Nem todos os aparelhos conseguiam ser bloqueados, como os celulares que fazem ligações por rádio. Além disso, a cada mudança de tecnologia de transmissão, o equipamento precisaria ser substituído. A população em volta das prisões também seria afetada pelo bloqueio, o que dificulta ainda mais a adoção dessa tecnologia. Clique aqui para ler o relatório do Ministério da Justiça. ERB é a sigla para Estação Raio-base, ou seja, o equipamento rastreador funcionaria como uma antena de celular móvel capaz de identificar a origem das chamadas na área dos presídios e até bloqueá-las. Para ler mais sobre os rastreadores veja os sites Teleco, TeleSíntese, Direito Capital e da Agência Brasil. Leia no Link: Afinal, dá para bloquear celulares?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.