Preso acusado de extorquir padre Júlio Lancelotti

A Polícia Civil prendeu no último dia 6 em São Paulo um homem acusado de integrar uma quadrilha que extorquiu R$ 50 mil do padre Júlio Lancelotti em três anos. Everson dos Santos Guimarães foi preso quando tentou receber R$ 2 mil do padre em encontro no Belenzinho, zona leste de São Paulo. Outros três suspeitos estão foragidos. O caso foi levado à polícia no mês passado. Cansado das exigências do ex-interno da Fundação Estadual do Bem Estar do Menor (Febem) Anderson Marcos Batista, Lancelotti denunciou o crime. Batista era ajudado pelo padre desde que ganhara a liberdade. De início, ele contentava-se com contribuições para o pagamento de um aluguel, porém, com o tempo, passou a querer mais, segundo o delegado André Luiz Pimentel, do Setor de Investigações Gerais da 5º Seccional (Leste). O bando conseguiu que Lancellotti fosse fiador de um Mitsubishi Pajero e arcasse com as prestações. O carro foi comprado em nome de Conceição Eletério, esposa de Batista. Para se comunicar com o padre, o casal enviava bilhetes por meio de Everson e do irmão dele, Evandro dos Santos Guimarães. Os dois receberiam R$ 20 pelo serviço. Em entrevista ao jornal SPTV, da Rede Globo, o padre explicou o porquê de ter agüentado a extorsão por tanto tempo: "Talvez eu tenha buscado que eles não fizessem mal para outros. Que ajudados eles cessassem essa violência".

ELVIS PEREIRA, Agencia Estado

16 de outubro de 2007 | 20h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.