Preso PM suspeito de roubo a residências em SP

O policial militar Rafael Carlos Rebollo Ragate, de 35 anos, foi preso em flagrante na tarde de quinta-feira, dia 5, suspeito de ajudar uma quadrilha especializada em assaltar residências na capital paulista. A Polícia Civil investigava o grupo que seria responsável por assaltar residências na região oeste da cidade. Durante a investigação, os agentes descobriram que os criminosos mantinham contato com um PM.

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

06 Abril 2012 | 17h15

O militar era responsável por avisar os assaltantes de uma possível aproximação policial. Dessa forma, os bandidos podiam agir tranquilamente. Na tarde de ontem, a polícia descobriu que o grupo atuaria de novo e cercou uma região no Butantã.

Um vigia, de 52 anos, que trabalha na região há 25 anos, foi rendido por quatro homens por volta das 16 horas na Rua Francisco Perroti, esquina com a Rua Geraldo Nogueira Cobra, no Butantã. Segundo a vítima, que não quis se identificar, ele foi obrigado a entrar no carro usado pela quadrilha com dois dos criminosos, enquanto os outros dois invadiram uma casa. "Eles me mandaram ficar quieto e obedecer as ordens deles, se não me matavam", disse.

Os dois assaltantes que entraram na residência foram surpreendidos pela polícia e houve tiroteio. Na troca de tiros, Rodrigo Mendes de Souza, de 21 anos, foi atingido. Ele foi socorrido no Hospital Bandeirante, mas morreu. O outro suspeito conseguiu fugir. Com Souza foi encontrado uma pistola.

Testemunhas informaram que outros assaltantes estavam do lado de fora da casa, com o vigia. Ao perceber a aproximação dos policiais, a dupla de assaltantes que estava no carro tentou fugir, mas acabou batendo em uma motocicleta dos Correios. Após a colisão, os suspeitos conseguiram escapar a pé.

Em seguida, os policiais civis foram até o 16º Batalhão da Polícia Militar e prenderam em flagrante o PM Regate, que foi levado para fazer exame de corpo delito e, depois, para o Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte da cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.