Presos mantêm funcionários reféns em presídio na Bahia

Ao menos cinco pessoas estão sob poder dos detentos na cadeia de Serrinha; ele pedem transferência

Elvis Pereira e Tiago Décimo, estadao.com.br e O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2008 | 17h52

Depois de uma tentativa frustrada de fuga, na manhã desta sexta-feira, 14, três presos fazem ao menos cinco funcionários do Presídio de Segurança Máxima de Serrinha, 173 quilômetros a noroeste de Salvador, reféns. Segundo informações da Secretaria de Justiça do Estado, eles aproveitaram o horário de refeição para render os funcionários - seriam quatro trabalhadores da cozinha e um agente carcerário.   Segundo o tenente-coronel da Polícia Militar Jeová Borges, à frente das negociações, os rebelados reivindicam transferência para presídios mais próximos de suas cidades de origem. O presídio, inaugurado em 2006, de acordo com dados da secretaria, é um dos únicos que não sofrem com superlotação na Bahia: tem capacidade para 476 pessoas e abrigaria 472 detentos.   De acordo com a pasta, apesar de os detentos estarem armados com facas, até o momento, ninguém foi ferido e a situação está normal no restante do estabelecimento. A direção do presídio está reunida discutindo a situação, no momento.

Mais conteúdo sobre:
Bahia reféns Serrinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.