Presos são mantidos reféns em rebelião na Bahia

Cinco presos, acusados de crimes sexuais, estão sendo mantidos reféns por outros 130 detentos desde o início da tarde de hoje, no Presídio de Serrinha (BA), 173 quilômetros a noroeste de Salvador. A Superintendência de Assuntos Penais do Estado ainda não sabe informar as causas da rebelião. Segundo a administração do presídio, na manhã de hoje, presos de um dos três pavilhões da unidade simularam uma grande briga, mas desistiram da ação depois de notar que não houve reação dos agentes. No início da tarde, detentos de outro pavilhão tentaram fugir, mas foram contidos pela segurança. Pouco depois, eles colocaram fogo nos colchões e fizeram reféns os colegas.

TIAGO DÉCIMO, Agencia Estado

19 Agosto 2009 | 20h09

O batalhão de choque da Polícia Militar cerca a unidade, mas a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia informa que não há planos de invasão. De acordo com a superintendência, o presídio não sofre com superlotação: tem capacidade para 476 detentos e abriga 436. Uma equipe de negociadores foi deslocada de Salvador para Serrinha para tentar por fim ao movimento.

Mais conteúdo sobre:
rebeliãoBAreféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.