Presos seguem rebelados em Itabuna, na Bahia

Bandidos mantêm três colegas de cela como reféns; Polícia Civil da Bahia está em greve

Ricardo Valota e Tiago Décimo, Agência Estado

11 de dezembro de 2008 | 07h36

Parte dos 118 detentos da Cadeia Pública de Itabuna (BA), a 415 quilômetros de Salvador, segue promovendo rebelião, mantendo três colegas de cela reféns. Amarrados a colchões, os reféns são ameaçados com armas artesanais metálicas e pontiagudas.   Como a Polícia Civil da Bahia está em greve, sob a alegação de acúmulo de cargos e funções que não competem à categoria, são policiais militares que negociam com os rebelados. Os nomes dos detentos, que até o momento não teriam sido feridos, não foram fornecidos pela polícia.A rebelião teve início ontem após uma tentativa de fuga da unidade, que tem capacidade para 32 pessoas. Um total de 37 presos foi transferido para Ilhéus durante a tarde.   De acordo com a 6ª Coordenação da Polícia Civil, os presos serraram as grades das oito celas e tentaram escapar durante o horário de visitas - que está suspenso em todas as unidades prisionais administradas pela Polícia Civil do Estado por causa da greve deflagrada na segunda-feira.   Os rebelados também atearam fogo em colchões de duas celas, mas o incêndio foi controlado por bombeiros.

Tudo o que sabemos sobre:
presosrebeliãoBahia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.