PRF aumenta efetivo para coibir roubos na Régis

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) aumentará em 10% o número de policiais na rodovia Régis Bittencourt (BR-116) no início do ano para coibir arrastões e ataques aos motoristas durante o período de férias. Desde outubro, o número de policiais em operação na rodovia já cresceu 30%, informou nesta sexta-feira (28) o comando da PRF em São Paulo. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que ladrões aproveitam os congestionamentos decorrentes do aumento no tráfego nesta época do ano para saquear os usuários.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

28 Dezembro 2012 | 13h01

De acordo com o inspetor Ricardo de Paula, da 4ª Delegacia da PRF, o número real de ocorrências na Serra do Cafezal, onde se concentram os ataques, é muito maior do que apontam os registros e estatísticas oficiais. "Isto ocorre principalmente em razão da falta de comunicação destes crimes por parte das vítimas à Polícia Civil, ou porque o boletim de ocorrência é confeccionado em outro Estado, geralmente no destino da carga", informou. Os principais alvos, segundo ele, são os caminhões-baú, já que os bandidos têm preferência pelas grandes transportadoras que, geralmente, carregam carga ainda mais valiosa. Os itens mais visados são eletrônicos e roupas, mas os ladrões passaram a atacar também carros de passeio em busca de celulares, máquinas fotográficas e computadores portáteis.

Mapeamento realizado pela polícia mostra que os roubos acontecem principalmente na Serra do Cafezal, onde os marginais aproveitam-se dos enormes congestionamentos diários formados no afunilamento da pista, na passagem da pista dupla para a simples. Os ataques ocorrem também, em menor escala, na região de Barra do Turvo e em Cajati, onde os infratores necessitam de alguma interrupção na pista proporcionada pelos recorrentes acidentes, às vezes provocados com o uso de pedras ou despejo de óleo na pista.

De acordo com o inspetor, o mapeamento indicou como pontos mais vulneráveis o trecho entre o km 334 e o 337, no Distrito dos Barnabés, em Juquitiba, e os arredores do km 340, no Bairro do Engano, em Miracatu. Nestes locais, grupos com até vinte pessoas forçam a porta dos baús e saqueiam em poucos minutos seu conteúdo. A carga roubada é despejada nos matagais às margens da rodovia, onde fica escondida até que possa ser removida para um local seguro. "A grande dificuldade no combate a estes criminosos é que, na maioria, os assaltantes são crianças ou adolescentes. Muitos residem nas comunidades carentes e bairros às margens da rodovia, o que proporciona abrigo rápido após os roubos", disse. Segundo ele, as ações têm sido tratadas em conjunto com órgãos de segurança do Estado e com entidades de transportadores.

Mais conteúdo sobre:
roubos Régis Bittencourt PRF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.