Primeiras contas do iPhone chegam a 300 páginas

Em vídeo na internet, usuária questiona quantas árvores uma só fatura não matou

15 Agosto 2007 | 11h20

Os primeiros usuários do iPhone, o telefone-tocador da Apple lançado em julho nos Estados Unidos, acabam de receber a fatura da primeira conta da operadora AT&T - e muitos dizem que elas são tão detalhadas que deveriam estar em bibliotecas, informa o jornal USA Today. Veja também: Usuário processa Apple por bateria de iPhone AT&T tem lucro trimestral maior puxado por celular e internet A designer e blogueira Justine Ezarik, de Pitsburgo, recebeu a conta no último sábado. Ela diz que as 300 páginas da fatura foram entregues em uma caixa de papelão. A AT&T detalha cada mensagem de texto e conexões à internet no período de um mês. "É muito chato", diz a cliente da Apple. "Não há razão para acumular tanta informação numa simples conta." Justine postou um vídeo sobre a conta de 300 páginas no YouTube, que já foi visto por mais de 20 mil pessoas desde segunda-feira. Blogs americanos sobre tecnologia replicaram o post e o vídeo se espalhou pela Web. O site de tecnologia Ars Technica diz ter recebido a conta do iPhone com 52 páginas escritas em frente e verso. O professor Kelly Croy, de Ohio, também afirma ter recebido uma fatura de 52 páginas: "A mais longa conta de telefone que eu já recebi em toda minha vida", diz. O porta-voz da AT&T, Mark Siegel, explica que essas situações são exceções. "Não enviamos tantas contas em caixas", afirma. Para Siegel, os clientes que não quiserem receber a conta detalhada podem entrar em contato com a companhia e mudar a forma de cobrança. Há opção por contas enxutas ou até online. O analista independente Rob Enderle avalia que as contas detalhadas do iPhone são "burras". "Não só porque aumenta o custo para a AT&T, mas também pela chateação do usuário. É mau negócio." Lançado em junho, o iPhone custa US$ 499 ou US$ 599 nos Estados Unidos, e a operadora sai por US$ 59,99 a US$ 99 mensais. A designer Justine (que utiliza muito o recurso de mensagens de texto) diz que sua primeira conta veio no valor de US$ 275. "Grande parte por causa de impostos, taxas de ativação de serviços e débitos compartilhados", afirma. "Fiquei chocada."

Mais conteúdo sobre:
iPhoneAppleTelecomCelular

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.