Primeiro caso de gripe aviária detectado no Afeganistão

Foi detectado o primeiro caso de gripe aviária no Afeganistão, e teme-se que testes provem que o vírus encontrado seja o mortal H5N1, declarou a agência das Nações Unidas. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, sigla em inglês), cinco amostras de aves domésticas de fazendas em Kabul e em Jalalabad deram positivo para o vírus H5, porém os testes não conseguiram identificar o tipo específico do vírus."Há um alto risco de que o vírus detectado seja o H5N1, mas existem outras possibilidades", disse um porta-voz da FAO de Kabul.No último mês, a FAO avisou que não seria possível evitar a entrada de aves contaminadas no país, e acusou o governo de não criar medidas efetivas para a prevenção contra a gripe. A gripe aviária, causada pelo vírus H5N1, já matou e forçou o abate de milhares de frangos e patos na Ásia desde 2003, e recentemente se espalhou para a Europa, África e Oriente Médio. Oficiais de saúde temem que o H5N1 se desenvolva em um vírus facilmente transmitido entre pessoas e se torne uma epidemia global.Ao menos 97 pessoas morreram pela doença, dois terços delas na Indonésia e Vietnã, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.O diretor do departamento de veterinária do Ministério de Agricultura do Afeganistão, Dr. Azizullah Esmoni, disse que as cinco amostras contendo o H5 estão sendo analisadas no laboratório da FAO na Itália. Ele espera resultados em 48 horas para determinar se há ou não a presença do H5N1.O diretor do departamento de aves migratórias da FAO no Afeganistão, Abdul Habib Nowruz, disse que esta é a primeira vez que a gripe aviária foi detectada no país.O Afeganistão, prejudicado pela recente guerra, permanece com um sistema público de saúde veterinária fraco, e ainda não há nas fronteiras do país um sistema de quarentena para checar aves importadas.

Agencia Estado,

13 de março de 2006 | 12h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.