Príncipe Harry encerra visita ao Brasil em jogo de pólo

Avaliado como 'mediano', britânico marcou gol, venceu e ainda acudiu adversário após queda

João Coscelli - estadão.com.br

11 Março 2012 | 17h26

 

SÃO PAULO - Após dois dias no Rio de Janeiro, o príncipe Harry encerrou sua visita ao Brasil e sua viagem à América Latina neste domingo, 11, quando participou de um jogo de pólo beneficente na cidade de Montemor, perto de Campinas. Harry veio ao País como garoto-propaganda de uma campanha que promove a Grã-Bretanha e os laços entre Brasília e Londres.

 

Mesmo com direito a entrada de carruagem no maior estilo britânico e a algumas fãs esperançosas de avistá-lo (e impedidas de entrar no haras onde a partida foi realizada), Harry mostrou-se tímido, embora já habituado ao clima brasileiro. Em pouco tempo, já estava vestido e montando seu cavalo.

 

Embora pouco difundido no Brasil, o pólo é a modalidade oficial da família real britânica. William e Charles, irmão e pai de Harry, também são adeptos do esporte. Por isso, antes da partida, os jornalistas britânicos presentes comentavam o histórico do jovem príncipe sobre cavalos. "Ele é um jogador que está na média, um pouco melhor que o príncipe William. Algumas vezes até acerta a bola", brincaram alguns repórteres.

 

Arthur Edwards, fotógrafo que cobre a família real há mais de 30 anos para o tabloide The Sun, disse que "em uma escala de 0 a 10, Harry leva a nota 2", enquanto Charles é um pouco mais habilidoso - nota 4. Mas ele exaltou a personalidade do príncipe dentro de campo. "Ele dá tudo de si, não tem medo de nada. Ele vai preferir que a outra equipe não alivie, é o jeito britânico", completou.

 

Susto

 

Apesar das avaliações medianas dos repórteres britânicos, Harry liderou as investidas do seu time, que leva o nome de sua fundação beneficente, a Sentebale, e venceu a St. Regis por 6 a 3. O príncipe britânico marcou apenas um gol, mas foi o destaque da partida não apenas por ser uma ilustre visita.

 

Ainda no início do jogo, o cavalo do paquistanês Bash Kazi se chocou com um conjunto da Sentebale e o atleta caiu. Harry, o mais próximo no momento do lance, prontamente desceu de seu cavalo e foi atender o adversário. Um verdadeiro gentleman com Kazi, que não se machucou, mas foi substituído.

 

"O chão estava escorregadio, não conseguimos parar os cavalos e eu caí, mas não me machuquei. O melhor é que fui atendido pelo príncipe Harry, é um cavalheiro", disse o paquistanês, que elogiou a atuação do britânico. "Para quem não joga há seis meses, ele fez uma partida excelente".

 

O empresário Rico Mansur, que havia vencido o time de Harry há dois anos em Nova York, também pontuou a boa atuação do príncipe. "No começo impusemos o ritmo e depois diminuímos um pouco, mas foi legal, divertidíssimo. Essa foi a revanche dele (o príncipe), ele foi muito bem para quem não joga com uma grande frequência", disse. Mansur havia dito antes da partida que "jogo é jogo" e que não ia facilitar para a equipe do príncipe, mas foi o derrotado deste ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.