Príncipe herdeiro do Barein pede diálogo, diz TV

O príncipe herdeiro do Barein, considerado um reformista na monarquia do golfo árabe, pediu calma na sexta-feira, afirmando que está na "hora do diálogo, não de lutas".

REUTERS

18 de fevereiro de 2011 | 15h29

Milhares de manifestantes xiitas, motivados pelos protestos populares no Egito e na Tunísia, realizaram manifestações no Barein desde o "Dia de Fúria", em 14 de fevereiro, para exigir mais espaço no governo sunita do país.

"O diálogo está sempre aberto e as reformas continuam", disse o príncipe herdeiro xeque Salman bin Hamad al-Khalifa à TV do Barein. "Esta terra é para todos os cidadãos do Barein... Todas as pessoas honestas devem dizer 'basta' neste momento."

"Devemos pedir calma a todas as partes, às Forças Armadas, aos homens de segurança e aos cidadãos", disse. "Eu peço a vocês que haja calma. Agora é o momento para calma."

Soldados barenitas atiraram contra manifestantes perto da praça Pearl na sexta-feira e feriram ao menos 23 deles, segundo um ex-parlamentar xiita. O incidente acontece um dia depois de a polícia ter retirado à força um acampamento de protesto na capital Manama, deixando quatro mortos.

O rei, xeque Hamad bin Isa al-Khalifa, governa uma população de 1,3 milhão de pessoas, metade dela de expatriados. O Departamento de Estado norte-americano estima que 70 por cento dos barenitas sejam xiitas.

(Reportagem de Martina Fuchs e Firouz Sedarat)

Tudo o que sabemos sobre:
BAREINPRINCIPE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.