Príncipe saudita morre; provável sucessor é ministro conservador

O príncipe herdeiro da coroa da Arábia Saudita morreu neste sábado, segundo informou a corte real do país, abrindo caminho para que o príncipe Nayef, ministro do Interior e com reputação de conservador, se torne o provável herdeiro da coroa do maior exportador de petróleo do mundo.

ANGUS MCDOWALL, REUTERS

22 Outubro 2011 | 10h13

O príncipe Sultan, cuja idade oficial foi dada como 80 anos, faleceu em Nova York de câncer no cólon no início deste sábado no horário saudita. Ele foi uma figura central no processo decisório saudita desde que se tornou ministro da Defesa em 1962 e foi coroado príncipe em 2005.

Analistas sauditas previram uma transição ordenada em um momento no qual grande parte do Oriente Médio está em tumulto, com vários povos se insurgido contra líderes autocratas.

A saúde de Sultan vinha declinando nos últimos anos e ele passou longos períodos fora do reino para tratamento médico. Um documento diplomático dos Estados Unidos de 2009, divulgado pelo WikiLeaks, o descreveu como "incapacitado para todo e qualquer fim."

O rei Abdullah, líder do país, provavelmente deve convocar o Conselho da Aliança da família reinante Al-Saud, que jamais foi testado, para aprovar seu herdeiro favorito.

A maioria dos analistas crê ser provável se tratar do príncipe Nayef, que foi indicado como segundo vice-primeiro-ministro em 2009, posição geralmente concedida ao terceiro homem na linha sucessória.

"A sucessão será ordenada," disse Asaad al-Shamlan, professor de ciência política em Riyadh. "A referência será a decisão do Conselho da Aliança. Parece-me mais provável que Nayef seja o escolhido. Se ele se tornar o príncipe da coroa, não espero muitas mudanças de imediato."

Ele ganhou a reputação de ser mais conservador que o rei Abdullah e o príncipe Sultan, sendo próximo do poderoso clero do país.

Entretanto, como rei é mais provável que ele siga uma linha moderada em consonância com a tradição da família Al-Saud de governar por consenso, dizem analistas.

O rei Abdullah criou o Conselho da Aliança em 2006 para tornar o complexo processo sucessório da família mais transparente. Anteriormente a sucessão era decidida em segredo pelo rei e um grupo de príncipes poderosos antes de ser tornada pública.

Pelo novo sistema, os 34 ramos da família reinante descendentes do fundador da nação, o rei Abdulaziz Ibn Saud, terão um voto cada um para confirmar o indicado do rei como príncipe da coroa ou nomear seu próprio candidato.

Mais conteúdo sobre:
ARABIAPRINCIPESUCESSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.