Problemas com documento

Estão usando meu Cadastro de Pessoa Física (CPF) e meu nome para praticar estelionato nos Estados do Pará, Maranhão, Tocantins e Goiás. Esse indivíduo usou meus dados para solicitar cheques em vários bancos - já identifiquei alguns cheques emitidos. Tenho documentos que podem comprovar a fraude e registrei um Boletim de Ocorrência no 1.º Distrito Policial de Brasília, em 17 de outubro. O estelionatário está usando uma conta fictícia e a assinatura dele é divergente da minha. Alguns cheques foram protestados em cartório no meu nome. A Receita Federal (RF) informou que só troca o número de CPF com mandado judicial. Peço que a Coluna divulgue meu problema com o objetivo de identificar

, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2009 | 00h00

esse sujeito para que a polícia o prenda.

RICARDO FARIAS LIMA

Brasília

A Delegacia da RF em Brasília informa que entrou em contato com o sr. Lima, em 23 de novembro, para orientá-lo de que o número do CPF acompanha o contribuinte pelo resto da vida. Explica que cada pessoa tem apenas um número e não há previsão legal para o cancelamento por perda ou roubo, há somente a opção de emissão da 2.ª via do cartão. Informa que, se o cartão do CPF (ou qualquer documento que contenha o número de inscrição) for furtado ou roubado, ele deve comunicar às autoridades policiais. Diz que, se os dados pessoais do contribuinte estiverem sendo usados indevidamente por terceiros, ele deve registrar a ocorrência na polícia, buscando a apuração do crime; portanto, o caso não pode ser resolvido pela RF. O contribuinte pode solicitar a 2.ª via do CPF nos conveniados da RF e o custo é de R$ 5,50.

Escolas técnicas

O governo do Estado fez vários comerciais divulgando as Escolas Técnicas (Etecs), mas a condição da Etec Santo Amaro, onde estudo, é precária. Não há nem laboratório para a principal matéria do curso, de instrumentação industrial, porque, segundo a direção, acabou a verba. Outro problema do local é a falta de higiene. Não há sabão nem papel higiênico nos banheiros. Por que em vez de gastar com propaganda o governo não investiu em melhorias nas Etecs?

FÁBIO SOARES DA SILVA

São Paulo

A Assessoria de Comunicação do Centro Paula Souza, órgão do governo estadual responsável pelas Faculdades de Tecnologia (Fatecs) e Escolas Técnicas (Etecs), esclarece que todos os equipamentos para as aulas práticas do curso técnico de Instrumentação e Equipamentos Industriais da Etec Santo Amaro já foram adquiridos. A Etec, implantada no primeiro semestre de 2009, passou a oferecer essa habilitação no segundo semestre deste ano. Como os equipamentos só são usados a partir do segundo módulo dos cursos, os alunos utilizarão os laboratórios apenas no primeiro semestre de 2010. Os laboratórios estarão à disposição no próximo semestre. Informa ainda que o material de higiene já foi providenciado e se encontra-se disponível

na escola.

Aumento abusivo

A Prefeitura de São Paulo preparou um aumento abusivo do IPTU na cidade. A argumentação principal é que praticamente não houve correções desse imposto desde 2001, principalmente em regiões favorecidas com obras de melhorias urbanas, como, por exemplo, novas linhas do Metrô. Faça as suas contas e confira seus pagamentos dos últimos anos. No meu caso, verifiquei que de 2003 a 2009, o imposto referente ao meu imóvel já foi reajustado em aproximadamente 66%. Portanto fica claro que esse é um falso argumento. Se você também não concorda com esse aumento, escreva ao vereador que recebeu o seu voto, ao prefeito, ao jornal que você lê, à estação de rádio de

que você ouve, aos seus amigos. Exerça o seu direito de pressão legítimo e manifeste a sua opinião. Se nos calarmos, significa que consentimos.

MARCELO VIGNERO

São Paulo

Espaço público e privado

Há um processo de clara privatização do espaço público em São Paulo. Em Pinheiros, Alto de Pinheiros e Vila Madalena, inúmeras ruas e vilas sem saída estão sendo fechadas pelos moradores com portões, grades e cancelas, com a autorização da Prefeitura. Embora sejam públicas, essas ruas e vilas são tratadas como se fossem espaço particular. Nossas elites se esquecem de que é o dinheiro dos impostos pagos por todos os cidadãos que banca os serviços de água, luz, saneamento básico, gás, segurança, limpeza e demais serviços públicos que lá existem. É preciso reagir contra esse tipo de atitude, que só contribui para a piora da qualidade de vida na cidade e para o aumento da exclusão.

RENATO KHAIR

São Paulo

As cartas devem ser enviadas para preclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.