Procon investiga distribuição de leite adulterado em SP

O Procon-SP anunciou hoje que vai notificar as empresas Nestlé e Parmalat para que prestem esclarecimento das compras de leite da Cooperativa dos Produtores de Leite do Valor do Rio Grande (Coopervale) e Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil), ambas de Minas Gerais, acusadas de adulterar o produto. A Fundação pretende, com isso, saber se houve distribuição no Estado de São Paulo do leite longa-vida modificado ilegalmente. No começo da semana, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) desarticularam uma quadrilha que atuava nas cooperativas adicionando substâncias químicas ao leite longa-vida, como soda cáustica e água oxigenada, o que torna o produto impróprio para o consumo. A Parmalat informou por meio de nota que encaminhou ontem mais de 50 amostras de todo o Brasil para análise, "procedimento que é rotineiro", e já descredenciou as cooperativas investigadas pela PF, das quais "comprava apenas leite cru em quantidade muito reduzida". A empresa também colocou à disposição o telefone 0800 11 22 22 para esclarecimentos.

GIULIANA VALLONE, Agencia Estado

24 de outubro de 2007 | 19h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.