Procon-SP reforça atendimento a prejudicado por apagão

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) exigiu hoje providências rápidas das concessionárias de energia para evitar novos apagões no Estado. Em evento na capital paulista, Alckmin reconheceu que, nos últimos dias, têm havido problemas de falta de energia em São Paulo e anunciou a criação de um mutirão na Fundação Procon-SP.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2011 | 18h55

De acordo com o governador, os cidadãos que se sentirem prejudicados pelos blecautes poderão agora se queixar por meio de registro eletrônico no site www.procon.sp.gov.br ou pelo telefone 151. As queixas serão repassadas diretamente à AES Eletropaulo ou à Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), concessionárias responsáveis pela distribuição e transmissão de energia em São Paulo.

O governador informou ainda que o governo estadual avalia as multas ou punições que devem ser aplicadas pelo descumprimento dos contratos de concessão dos serviços. Hoje, de acordo com o Procon-SP, a AES Eletropaulo apresentou documentos de esclarecimento sobre as falhas no sistema de fornecimento de energia ocorridas na capital e região metropolitana de São Paulo nos últimos dias.

A entidade decidirá na próxima semana se a concessionária será multada. No começo do mês, após um apagão que deixou bairros da zona sul da capital sem energia, o governador convocou as empresas para que prestassem esclarecimento. Na época, Alckmin disse que o governo poderia aplicar multas às empresas caso fosse constatada negligência.

Assentamentos

O governador confirmou ainda que solicitou à Secretaria da Justiça que estude a possibilidade de compra da produção agrícola proveniente de assentamentos de agricultores sem-terra. O objetivo é destinar esta produção a presídios, escolas, creches e outras instituições públicas. Alckmin disse que este projeto está sendo formulado, mas ainda não há prazo para que seja aplicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Procon-SPapagãoenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.