Procurado na Espanha está preso em SP desde maio, diz polícia

A polícia de São Paulo descobriu que um dos suspeitos mais procurados da Espanha está preso na capital paulista desde maio de 2008, informou nesta sexta-feira a Polícia Civil. Carlos Ruiz Santamaría, conhecido como "El Negro", foi preso pela polícia paulista em meio a uma investigação de estelionato e lavagem de dinheiro, informou o Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado (Deic) da Polícia Civil. Com documentos falsos, Santamaría alegava ter nascido em Minas Gerais e chamar-se Manuel Ortiz. Mas um deslize verbal durante interrogatório em 30 de janeiro fez a polícia desconfiar da identidade do suspeito, informou a polícia. "Durante a conversa, eles (os policiais) perceberam um certo fundinho de hispânico, fizeram um rastreamento em bancos de dados internacionais e descobriram que ele é um fugitivo da Justiça espanhola", disse Maurício Rodrigues, assessor de imprensa do Deic, por telefone. Santamaría, nascido no México, fugiu da Espanha em 2001, quando estava em liberdade condicional dias antes de seu julgamento. Ele havia sido detido acusado de tráfico de drogas. Considerado o principal narcotraficante do país europeu, Santamaría está entre os 15 criminosos mais procurados pela Justiça da Espanha. Segundo Rodrigues, uma operação da polícia espanhola chegou a apreender 11 toneladas de cocaína que pertenceriam a Santamaría. A polícia paulista investiga se Santamaría tinha relações com o traficante colombiano Juan Carlos Ramírez Abadía, preso em São Paulo em 2007 e extraditado aos EUA no ano passado. Abadía, também conhecido como "Chupeta", era um dos traficantes mais procurados pela agência norte-americana de combate ao narcotráfico. "Os carteis com os quais ele mexia eram relacionados ao Abadía também", disse Rodrigues. Rodrigues afirmou que a Justiça espanhola já foi informada do caso e vai elaborar um pedido de extradição de Santamaría. APREENSÃO RECORDE NO PARANÁ Em outro incidente relacionado ao tráfico de drogas, a Polícia Federal apreendeu 3,8 toneladas de cocaína no porto de Paranaguá (PR). A apreensão, realizada na quinta-feira, é a segunda maior já feita no Brasil. Segundo a PF, a droga estava escondida em uma carga de madeira oriunda de São Paulo e teria como destino a Europa. (Reportagem de Eduardo Simões)

REUTERS

06 de fevereiro de 2009 | 12h07

Tudo o que sabemos sobre:
GERALCRIMESANTAMARIADESCOBRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.