Procurado nos EUA por pedofilia americano se entrega no Rio

O norte-americano Craig Kenneth, fugitivo da Justiça dos EUA por acusações de crimes sexuais contra menores de idade, entregou-se à polícia nesta terça-feira no Rio de Janeiro e terá um pedido de extradição julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), informou a Polícia Federal.

REUTERS

21 Junho 2011 | 18h27

Craig, de 42 anos, ficará detido na superintendência da PF no Rio enquanto aguarda provável transferência para Brasília. Ele já tinha sido detido em dezembro de 2010 no Brasil a pedido dos EUA, mas foi solto dias depois por falta de documentação, de acordo com o delegado Walace Tarcísio Pontes.

"As autoridades americanas já vinham solicitando ao Brasil que o buscasse novamente. A ordem de prisão foi retomada e a PF então passou a acompanhá-lo nos locais onde já tinha informações que ele frequentava", disse o delegado à Reuters TV.

"Ele acabou se sentindo acuado pelas diligências policiais e decidiu se entregar", acrescentou o delegado, que citou também a recente exposição de Craig na mídia como causa para ele ter se entregado à polícia.

O norte-americano está na lista dos 10 mais procurados do Departamento de Justiça dos EUA por suspeita de cometer crimes sexuais nos EUA. Ele fugiu de seu país para escapar de um julgamento, segundo o Departamento de Justiça.

Com a prisão de Craig, o STF vai retomar o julgamento do pedido de extradição feito pelo governo dos Estados Unidos.

Segundo o delegado, o norte-americano estaria vivendo no Rio de Janeiro e trabalhando como professor particular de inglês em condomínios de classe média alta na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, e não há acusações contra ele no Brasil.

"Os crimes que ele é acusado foram cometidos em território americano. Não há acusações contra ele no território brasileiro, mas não descartamos essa hipótese. Acreditamos que com a divulgação da prisão dele talvez surjam denúncias", disse o delegado.

(Por Sérgio Queiroz)

Mais conteúdo sobre:
GERALPEDOFILOPRESO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.