Procurador defende direito a recurso

O procurador da República Oscar Costa Filho, do Ministério Público Federal do Ceará, prevê problemas na aplicação do Enem. Autor da ação que suspendeu a divulgação das notas no ano passado, ele diz que há falhas na segurança e na concepção do exame.

FORTALEZA, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2011 | 03h01

Segundo ele, por não dar direito a revisão de prova nem a recorrer quando se sentir prejudicado, o Enem é "um estelionato intelectual" e uma "agressão nacional à Constituição". "Todo candidato deve estar apto a contestar a nota, assim como ter acesso ao espelho dessa correção", diz.

O procurador ajuizou ação civil pública no início do ano pedindo que os estudantes tenham direito à revisão. Até agora, o pedido não foi acatado. / CARMEN POMPEU, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.