Produção de minério da Vale sobe 0,4% no 2o tri

A produção de minério de ferro da Vale no segundo trimestre do ano cresceu 0,4 por cento na comparação com o mesmo período de 2011, atingindo 80,54 milhões de toneladas.

Reuters

18 de julho de 2012 | 19h59

A mineradora informou ainda nesta quarta-feira que houve um aumento de 15,1 por cento em relação aos três primeiros meses do ano, quando a produção havia sido prejudicada por chuvas intensas.

Segundo a mineradora, maior produtora de minério de ferro do mundo, a produção da commodity no período registrou um novo recorde para um segundo trimestre.

O aumento da produção das principais mineradoras do mundo, na visão de analistas, pode colocar mais pressão no mercado de minério de ferro, que já sofre com uma demanda mais fraca da parte de siderúrgicas da China, maior importador da commodity. Na véspera, foi a vez da BHP anunciar um aumento de 15 por cento em sua produção.

Na China, o minério de ferro atingiu nesta semana o menor valor em oito meses, sendo cotado abaixo de 130 dólares por tonelada.

O dado de produção da Vale ficou em linha com a expectativa de alguns analistas, como no caso do Citi, que apontou produção de cerca de 80 milhões de toneladas.

A produção ante o primeiro trimestre cresceu em todos os sistemas (Norte, Sudeste, Sul e Centro-Oeste), bem como na Samarco, na qual a Vale detém participação de 50 por cento, em parceria com a australiana BHP.

A produção de Carajás, onde estão as principais minas da Vale, atingiu 27,4 milhões de toneladas, "a melhor performance" para um segundo trimestre, sendo 26 por cento acima do trimestre anterior e 5,2 por cento maior que o segundo trimestre de 2011.

"O aumento refletiu as melhores condições climáticas do 2T12", afirmou a mineradora.

OUTROS PRODUTOS

A produção de carvão no segundo trimestre foi de 2,5 milhões de toneladas, comparada a 2,35 milhões no primeiro período do ano.

"Alcançamos um recorde de produção de carvão metalúrgico, 1,277 Mt, o que representou um aumento de 13,3 por cento sobre o 1T12", disse a Vale em comunicado. O ramp-up de Moatize, um projeto de carvão da empresa em Moçambique, foi o principal motivo da boa performance.

A produção de pelotas alcançou 14,3 milhões de toneladas no segundo trimestre, com acréscimo de 12,3 por cento em comparação ao trimestre anterior e 8,5 por cento maior que o segundo trimestre de 2011, constituindo-se em novo recorde histórico, disse a Vale.

"O ramp-up das plantas de Omã foi a principal razão para o bom desempenho na comparação anual", acrescentou. A operação de Omã produziu 1,6 milhão de toneladas de pelotas.

Já a produção de níquel, segundo produto da mineradora brasileira, atingiu produção total de 60.900 toneladas, 3,6 por cento menor do que no trimestre anterior, mas 8,4 por cento acima do segundo trimestre de 2011.

"A suspensão das atividades para avaliação da segurança nas operações de mineração em Sudbury durou mais tempo do que o esperado e impactou a produção de níquel refinado no 2T12", informou a Vale, que já manifestou anteriormente a intenção de ser a maior produtora de níquel do mundo.

"No 2T12, a produção de níquel refinado de Sudbury (Canadá) totalizou 17.400 t, 22,6 por cento abaixo do 1T12. Decidimos antecipar as paradas programadas para manutenção do 3T12 para o 2T12, devido à menor disponibilidade de insumos após a utilização dos estoques no 1T12", ressaltou a empresa.

Já a produção de cobre no segundo trimestre foi de 69.700 toneladas, 4,4 por cento menor que o trimestre anterior, principalmente devido aos problemas com as operações no Canadá.

A produção de potássio foi de 129.000 toneladas no período, aumentando 8,9 por cento em relação ao trimestre anterior, porém uma queda de 11,2 por cento na comparação anual.

"O aumento da produção trimestral refletiu uma melhora na infraestrutura, a aquisição de equipamentos e o resultado de manutenção em Taquari-Vassouras."

(Reportagem de Roberto Samora)

Tudo o que sabemos sobre:
MINERACAOVALEPRODUCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.