Produtor de milho antecipa vendas

Alta do cereal estimula comercialização enquanto ele ainda está no campo. No Paraná, negócios estão acelerados

Jane Miklasevicius e Sandra Hahn, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2007 | 04h17

Os preços firmes do milho e a preocupação com o abastecimento até a próxima safra estimularam a procura antecipada pelo grão na Região Sul, uma prática comum apenas na comercialização da soja. Cooperativas e cerealistas do norte gaúcho fizeram propostas para venda entre R$ 22 e R$ 23/saca, com pagamento em março, relatou o assistente técnico regional da Emater em Passo Fundo (RS), Cláudio Dóro. Segundo o técnico, cerca de 10% da colheita esperada foi comercializada antecipadamente, com pagamento e entrega em março. ''''O produtor gaúcho não tem tradição de vender antecipadamente'''', observou. Até a semana passada, os produtores gaúchos haviam semeado 79% da área de 1,419 milhão de hectares prevista pela Emater-RS para a safra 2007/2008.No Paraná, principal produtor de milho do País, a safra também está antecipando a comercialização e o maior volume destina-se ao mercado externo. A Secretaria de Agricultura do Estado estima que 99,1% da safra de milho já foi plantada e 8% comercializada antecipadamente.EXPECTATIVAS SUPERADASA Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) acredita que o volume negociado da safra nova supera o indicado pelo governo do Estado. Há notícias de produtores paranaenses que já venderam 20%, 30% e até 40% da produção de milho verão. Com 99,1% da área semeada, 84% da lavoura de milho do Paraná está em fase de desenvolvimento vegetativo e apenas 2% em frutificação.Para o assessor técnico e econômico da entidade, Flavio Turra, a exemplo do que ocorreu com a soja, a negociação antecipada de milho ganha espaço com a valorização do cereal no mercado internacional e a consolidação do Brasil como exportador. Hoje a comercialização antecipada de milho supera a da soja no Paraná. Com 98,2% da safra da oleaginosa já plantada, apenas 2,2% da produção estimada foi negociada até o momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.