Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Produtor já colheu uma fruta com 1,26 quilo de peso

O fruticultor Luiz Takafuji, de Ibiúna, tem 4.500 pés de dekopon em 7 hectares e antecipa parte da colheita. "O pomar é grande e não posso concentrar a colheita na mesma época." Ele é um dos pioneiros no plantio e agora se adapta às novas regras para a dekopon. A colheita é toda manual e os funcionários usam tesouras especiais, com a ponta em curva, para retirar a fruta do pé sem arrancar o pedúnculo, evitando danos aos frutos.

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2009 | 03h34

Takafuji, que toca a propriedade com os filhos Rodrigo e Humberto, faz a seleção em packing house próprio. "Deixo as tangerinas em descanso por quatro dias antes de mandar para o mercado." Esse repouso é recomendado para elevar o teor de açúcar e revelar os frutos danificados - a tangerina com furos na casca murcha.

Como cada planta chega a carregar 40 quilos de tangerina, o produtor tem de escorar os galhos. No ano passado, Takafuji colheu uma tangerina com 1,26 quilo. Semana passada, ele vendia a dekopon por R$ 1,50 o quilo. "O preço está baixo por causa da concorrência da poncã, que produziu muito." Ele espera obter preços melhores nas próximas semanas, quando acabar a safra da variedade concorrente.

 

Veja também:

linkConceito de qualidade total chega às tangerinas

linkVariedades alternativas à poncã

O produtor Cláudio Shoiti Ito, de Pilar do Sul, cultiva 800 pés e espera ter a maior parte da produção classificada como kinsei. A expectativa é obter preço 50% maior que o da dekopon. Ele embala as frutas em caixas personalizadas, com até 14 frutas por caixa. Cada tangerina recebe um selo. A produção é enviada para os Ceasas de São Paulo e Ribeirão Preto. "Estamos abrindo mercado para essa fruta, que tem um potencial muito bom."

Ito é um dos candidatos a se tornarem exportadores de kinsei. O presidente da APPC, Shuji Gocho, vê um grande potencial no mercado externo. "Enviamos amostras para o exterior e a receptividade foi boa." A associação já exporta outras frutas, como caqui e atemóia. Também realiza um trabalho de divulgação. No dia 26, receberá 200 turistas de São Paulo para visitação de pomares e degustação.

Mais conteúdo sobre:
Agrícola citricultura tangerian

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.